APLB

segunda-feira, 10 de agosto de 2009

FIM DA PARALISAÇÃO DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO

A UNIÃO FAZ A FORÇA

Em assembleia hoje, 10 de agosto de 2009 e uma grande caminhada pelas ruas do centro da cidade,Trabalhadores em Educação da Rede Municipal de Ensino de Ilhéus resolveram aceitar a contra proposta do Governo e retornar às suas atividades.
Depois de passar as informações e contra proposta da Prefeitura para a categoria, Enilda Mendonça, presidente da APPI fez o encaminhamento de votação: a categoria aceita a contra proposta do governo ou continua com suas atividades paralisadas.
A categoria votou pelo fim da paralisação desde que o governo assinasse o acordo mediante a presença da diretoria do sindicato e dos trabalhadores que marcharam do IME-Centro percorrendo as ruas da cidade até a praça da Prefeitura onde aguardaram a concretização do acordo. Foram quase três horas de espera mas a categoria só deu como findada a paralisação depois que a presidente fez a leitura do documento acordado e com o reconhecimento das assinaturas do Secretário de Educação- Sebastião Maciel Costa; Secretário de Administração- João Fraga; Secretário de Finanças- Gilvan Tavares Gonzaga; do Prefeito- Newton Lima Silva e da presidente da APPI-APLB Sindicato- Enilda Mendonça de Oliveira.
Mais uma vez, A APPI-APLB Sindicato, que representa a categoria fez jus ao movimento. O acordo que foi assinado pela Prefeitura contempla as reivindicações da categoria. O percentual de reajuste de 12% no salário base dos servidores de escolas será pago até o dia 18 de agosto com efeito retroativo aos meses de maio, junho e julho. Já os professores receberão também nesta mesma data um reajuste de 10% no ticket alimentação.
Em relação aos processos de mudança de padrão e gratificação requeridas pelos professores e que atendem aos requisitos do PCCS, o município fará uma folha suplementar com pagamento para 21 de agosto.
Um outro ganho é a implementação do ticket alimentação dos servidores a partir de outubro de 2009. Essa conquista será um marco histórico para os servidores de escola que por muitos anos ficaram isolados das negociações.
Esse isolamento acabou justamente com a modificação na LDB onde servidores de escolas passaram a ser trabalhadores em educação. Do porteiro, do professor até a direção de escola, somos hoje uma única categoria, com uma única missão: EDUCAR.