APLB

quarta-feira, 30 de março de 2016

APPI se reúne com trabalhadores da Escola Estadual do Salobrinho para esclarecer dúvidas da categoria

A convite de trabalhadores e dando continuidade ao projeto Agende APPI, o professor Osman Nogueira Junior se reuniu na manhã desta quarta-feira com os professores da Escola Estadual do Salobrinho para debater sobre os avanços da educação nos últimos anos e esclarecer dúvidas da categoria.
 
Durante o encontro o presidente da APPI/APLB-Sindicato. Osman Nogueira Junior, falou de questões importantes para os trabalhadores, como a situação da URV, concurso público, aposentadoria, licenças, além da necessidade da união dos trabalhadores para conquistar e assegurar ainda mais direitos para os servidores.
 
Ele destacou a importância desse momento de ouvir a categoria na própria unidade escolar e esclarecer as dúvidas. Para solicitar o Agende APPI basta a unidade escolar, das redes municipal ou estadual, entrar em contato com o sindicato, informar as dúvidas e agendar a visita dos dirigentes da APPI nas escolas.

terça-feira, 29 de março de 2016



CONVITE

A APPI/APLB-Sindicato, Delegacia Sindical Costa do Cacau, convida todo o corpo diretivo das escolas da Rede Estadual em Ilhéus para uma reunião nesta quarta-feira, dia 30 de março, às 10h30min, no Colégio Modelo Luis Eduardo Magalhães, para discutir sobre a situação da paralisação dos servidores tercerizados e as deliberações que devem ser adotadas.

Contamos com a participação de todos.


Osman Nogueira Júnior
APPI/SPLB-Sindicato

quarta-feira, 23 de março de 2016



Recesso da Semana Santa

A APPI/APLB-Sindicato  Delegacia Sindical Costa do Cacau informa aos seus associados que, em função do recesso da Semana Santa, não haverá expediente nesta quinta e sexta-feira. As atividades serão retomadas normalmente na próxima segunda-feira, dia 28 de março.

segunda-feira, 21 de março de 2016

Na luta pela Democracia e pelo Estado de Direito


Os últimos acontecimentos na política brasileira exigem de todos/as, em especial da classe trabalhadora, muita reflexão para entender os interesses em jogo e para se posicionar contra qualquer tentativa de golpe que coloque em risco a democracia e o estado de direito no país.

Há 31 anos saímos de uma ditadura civil-militar que durou mais de duas décadas. Muitos dos algozes daquela época são os mesmos que vemos defender hoje a renúncia ou o impeachment de uma presidenta eleita por mais de 54 milhões de brasileiros/as.

Em que pese o início do segundo mandato da presidenta Dilma ter seguido caminhos contrários aos pretendidos por sua base social, fato é que não se pode perder de vista que o clima desestabilizador vivido hoje no Brasil é fruto, principalmente, de uma postura de mau perdedor de muitos políticos da oposição, que não aceitam o resultado das urnas e que pretendem chegar ao poder sem voto.

Num momento de grande polarização política, o mais importante é garantir a democracia por meio de suas instituições. A voz soberana do povo, expressa no resultado das urnas, é o juiz natural da democracia e precisa ser respeitada.

As instituições, por sua vez, não podem fraquejar ou se omitir em defender os valores democráticos da sociedade e as garantias individuais de cada cidadão/ã. Caso isso ocorra, o tecido social se esgarça e o país fica vulnerável aos oportunistas de plantão, especialmente daqueles que detêm o poder econômico e a manipulação midiática.

Com relação ao combate à corrupção – tema central do debate político –, todos devemos estar imbuídos nessa empreitada, porém jamais pactuando com acusações seletivas ou com flagrantes ilegalidades cometidas por agentes públicos sob o pretenso argumento de combater “corruptos”.

Ainda sob o aspecto dos direitos e garantias dos cidadãos/ãs, é preciso restabelecer com urgência no país os princípios constitucionais da ampla defesa, do contraditório e da presunção de inocência, evitando-se, a todo custo, medidas que conduzam ao estado de exceção.

A CNTE vê com preocupação esse momento histórico por que passa o país, mas mantém a fé na sabedoria da maioria do povo e nas instituições democráticas, que devem agir dentro dos limites legais e em defesa do estado democrático de direito.

O compromisso com a democracia é de todos/as, e devemos sempre defendê-la! Assim como cada cidadão/ã ou grupo social tem o legítimo direito de defender seus projetos políticos nas ruas e em suas organizações sociais.

A CNTE e seus sindicatos filiados defendem um Brasil inclusivo e justo para todos/as. Lutamos para que o emprego e a renda dos/as trabalhadores/as sejam preservados. E é por isso que nos mobilizamos para que o Brasil retome sua trajetória de desenvolvimento inclusivo com paz social.

Reunião de dirigentes sindicais da APLB discute estratégias para 2016

Dirigentes sindicais dos núcleos da APLB-Sindicato dos municípios de Ilhéus, Canavieiras, Uruçuca, Una e Itacaré, que fazem parte da Delegacia Sindical Costa do Cacau, participaram na manhã desta segunda-feira, na sede da APPI, da reunião do Conselho Sindical. O objetivo foi discutir estratégias conjuntas entre os núcleos e as medidas que os sindicatos deverão tomar frente aos desafios de 2016 na defesa dos direitos dos trabalhadores em educação.



quinta-feira, 17 de março de 2016

Piso Nacional e Jornada de Trabalho foi tema de seminário promovido pela APPI

Discutir e debater com os trabalhadores em educação sobre o Piso Nacional e jornada de trabalho e fazer uma análise conjuntural do município de Ilhéus. Esse foi o objetivo do segundo dia do seminário com o tema “Desafios e perspectivas do sistema municipal de ensino na Educação de Jovens e Adultos e na universalização da educação infantil”, promovido pela APPI/APLB-Sindicato, nos dias 15 e 16 de março, no Centro de Convenções de Ilhéus. O evento fez parte das atividades de luta da Greve Nacional dos trabalhadores em educação.

No período da manhã as discussões foram abertas pela professora Gilvânia Nascimento, presidente da União Nacional dos Conselhos Municipais de Educação, que falou sobre a necessidade de se cumprir o que determina a Lei do Piso Nacional. Em seguida a diretora intermunicipal da APPI/APLB, Enilda Mendonça, alertou para medidas adotadas pelas prefeituras da região cacaueira de elaboração dos Planos de Carreira que retiram uma série de direitos e garantias dos trabalhadores em educação. O encontro contou com a participação de trabalhadores em educação de diversos municípios que fazem farte da Regional Cacaueira da APLB-Sindicato.

Dando continuidade ao seminário, na parte da tarde foi realizada uma mesa redonda com uma análise conjuntural do município de Ilhéus. As atividades foram abertas pelo presidente do Sindicato dos Bancários de Ilhéus, Rodrigo Cardoso, que fez uma análise política, econômica e social do Brasil, com reflexos no município. Em seguida foi a vez do presidente do Instituto Histórico e Geográfico de Ilhéus, José Nazal, que fez um relato dos aspectos geográficos do município, com foco para a educação, destacando a localização dos distritos e bairros a distribuição das escolas na zona rural e na sede.

Encerando as atividades, a diretora intermunicipal da APPI/APLB, Enilda Mendonça, abordou a situação da educação no município, o déficit de vagas nas escolas da rede municipal e a necessidade de se cumprir o que termina a legislação com relação a garantia de uma educação pública de qualidade.