terça-feira, 27 de janeiro de 2015






APPI participará do Conselho Sindical 2015

Diretores da APPI/APLB-Sindicato, Delegacia Sindical Costa do Cacau, estarão participando do Conselho Sindical 2015, que acontecerá nos dias 28 e 29 de janeiro, no município de Una, promovido pela diretoria Regional Cacaueira da APLB-Sindicato.

Esse ano o tema do encontro será “Organização sindical da APLB: uma nova gestão um novo olhar um novo caminhar”. Durante os dois dias da reunião do conselho serão discutidos assuntos como “Conjuntura educacional”, “PNE/PEE”, “Pccs unificado”, “Sindicalismo no Brasil”, “Rede Vida Viva”, além da construção de Agenda de Trabalho da Diretoria da APLB Regional Cacaueira, Delegacias e Núcleos para o ano de 2015.

segunda-feira, 26 de janeiro de 2015

Seminário discute a inclusão da História e Cultura Afro e Indígena no currículo escolar

Discutir a efetivação da Lei federal número 10.639, de 2003, que trata da inclusão no currículo escolar de conteúdos acerca da “História e Cultura Afro-Brasileira e Indígena”. Esse foi o objetivo do seminário realizado na última Quinta-feira, dia 22, na Faculdade de Ilhéus, promovido pelo Conselho Municipal de Educação, Direc 6, APPI (Associação dos Professores Profissionais de Ilhéus), UNCME (União dos Conselhos Municipais de Educação), Secretaria de Educação e Movimento Negro Unificado (MNU).

O evento foi iniciado pela manhã, com a palestra sobre a “Diáspora Africana”, ministrada pelo professor universitário Flávio Gonçalves, e seguiu durante a tarde com mesas redondas temáticas. Segundo o professor Flávio Gonçalves, do departamento de História da Universidade Estadual de Santa Cruz, a chegada dos africanos ao Brasil trouxe à formação cultural do País inúmeras características e aprender sobre essas contribuições se faz necessário para que os estudantes e a sociedade tenham a noção da grandeza da história vinda da África e disseminada por aqui.

Para o professor, levar os estudos da afrodescendência às escolas representa uma trincheira na luta contra o racismo e o preconceito. “A lei não vai resolver o problema do preconceito contra a cultura africana, mas é o começo. Naturalmente, tememos o que não conhecemos. Então, levar esse conhecimento a todos já é um começo na tentativa de vencer o preconceito”.

De acordo com a professora Patrícia Prisco, da rede municipal de ensino e responsável pela estratégia de aplicação da lei nas escolas de Ilhéus, a efetivação se dará por meio de um plano de ação caracterizado através de uma proposta de formação levada aos professores, criando mecanismo que sensibilizem, reflitam e mobilizem os docentes, os motivando a levar às salas de aulas conteúdos ligados às culturas afro-brasileira e indígena.

Patrícia destaca que não há prazo para efetivar os  temas no currículo escolar. Por isso, os conteúdos serão disseminados gradualmente em cada área do conhecimento: “Na área de linguagem, por exemplo, o professor é orientado a trabalhar as influências da literatura africana. No campo da história, trabalha-se o contexto histórico dos indígenas presentes no litoral baiano e assim por diante”.

Programação – Durante a manhã, os participantes do seminário (professores, diretores de escolas e estudantes) ouviram a palestra “Diáspora Africana”, ministrada pelo professor Flávio Gonçalves. Durante a tarde, os trabalhos começaram às 16h20min, com a palestra sobre “Experiências de Sucesso da Lei 11.645/08”. Ainda à tarde, houve plenárias temáticas com discussões diversas: “Como desenvolver uma educação antirracista, “Direitos humanos e diversidade”, “Mitologia africana e dessatanização dos orixás”, “Sexualização” e “Conselho Municipal de Educação”.

A realização do Seminário foi uma ação que surgiu no ano de 2009, quando da publicação da Resolução 02/09 pelo CME/Ilhéus, na qual se falava não só  da colocação da História da África, dos Afro-Brasileiros e dos Indígenas na matriz curricular das escolas que integram o Sistema Municipal de Educação, mas da formação dos profissionais do magistério, da realização de eventos alusivos às datas comemorativas e à união de esforços para que as matrizes afro-indígena tivessem seus lugar de destaque na cultura ilheense. O evento foi pensado e discutido na Câmara Temática de Legislação e Normas do CME, apresentado ao Pleno do mesmo, colocado no seu Plano de Ação 2015 e realizado no dia 22/01/15.

Trabalhadores em educação aprovam calendário de reposição das aulas

Com a devolução dos recursos descontados pela Prefeitura de Ilhéus por conta das paralisações dos trabalhadores em educação, a categoria decidiu, em assembleia realizada na tarde da última sexta-feira (23), aprovar o calendário de reposição das aulas para garantir o cumprimento dos 200 dias letivos.

De acordo com o calendário de reposição aprovado pela categoria, o ano letivo de 2014 terá seu término em duas datas: no dia 05 de março e no dia 18 de março.

Trabalhadores em educação aprovam calendário de reposição das aulas

Com a devolução dos recursos descontados pela Prefeitura de Ilhéus por conta das paralisação dos trabalhadores em educação, a categoria decidiu, em assembleia realizada na tarde da última sexta-feira (23), aprovar o calendário de reposição das aulas para garantir o cumprimento dos 200 dias letivos.

De acordo com o calendário de reposição aprovado pela categoria, o ano letivo de 2014 terá seu término em duas datas: no dia 05 de março e no dia 18 de março.

terça-feira, 20 de janeiro de 2015

MAIS VERBAS PARA O PISO DO MAGISTÉRIO E PARA A EDUCAÇÃO PÚBLICA.

O reajuste do piso do magistério em 13,01% - válido a partir de 1º de janeiro de 2015 - suscitou nova onda de críticas de gestores públicos, que alegam dificuldades financeiras para arcar com os novos salários.
 
Diante da atitude contraproducente de alguns gestores - que desde a aprovação da Lei 11.738 tentam, sem sucesso, inviabilizá-la política e judicialmente -, a CNTE propõe uma ação coletiva envolvendo governos e sociedade civil no sentido de construir estratégias para a viabilidade da meta 20 do Plano Nacional de Educação.
 
O PNE prevê elevar o investimento público em educação ao patamar de 10% do PIB, o que não somente reforçará as condições para a valorização do magistério e dos demais trabalhadores escolares (na perspectiva de cumprimento das metas 17 e 18), como viabilizará melhorias para a oferta escolar em todo país.
 
Um primeiro passo nessa direção diz respeito à regulamentação dos royalties do petróleo e do Fundo Social da União, até então desprovidos de critérios republicanos e que atendam às demandas do conjunto dos entes que ofertam a educação básica no país. Para 2015, o orçamento da União estima receita de R$ 8,7 bilhões oriunda dessas fontes, e mesmo que haja revisão do valor em decorrência da queda no preço internacional do petróleo, uma boa quantia certamente será arrecadada.
 
Outro compromisso importante e imediato refere-se à regulamentação dos royalties do petróleo e de gás natural destinados aos estados e municípios pela Lei Federal 12.351/2010, sobre a qual se mantém pendente o julgamento de Ação Direta de Inconstitucionalidade no Supremo Tribunal Federal. E, independente da questão jurídica, é importante que os entes da federação destinem seus recursos provenientes da exploração de hidrocarbonetos para o financiamento da educação e da saúde, respectivamente nas proporções de 75% e 25%, seguindo a orientação da Lei Federal 12.858.
 
Também há outras medidas para o incremento do financiamento educacional - sobretudo as indicadas pelas Conferências Nacionais de Educação - que devem ser implementadas tanto em nível nacional como nos estados e municípios, entre elas, a criação do Imposto sobre Grandes Fortunas, a taxação do capital volátil que transita nos mercados de capitais e o incremento nos percentuais de vinculação constitucional, que desde 1988 abarcam 18% dos impostos da União e 25% de impostos dos estados, DF e municípios, desconsiderando, porém, importantes Contribuições Sociais que também podem passar a integrar as receitas da educação.
 
Não obstante o esforço para se aumentar no curto e no médio prazos o financiamento da educação, é preciso, ainda, ajustar as contas estaduais e municipais para evitar desperdícios e desvios de verbas que minam a capacidade de gestão das redes públicas de ensino. Com esta medida, e mais o comprometimento imediato da União em regulamentar o repasse para pagamento do piso aos entes que efetivamente comprovarem incapacidade financeira, certamente a Lei do Piso será cumprida por todos os gestores, sem necessidade de uma nova batalha judicial que não condiz com as promessas eleitorais.
 
Os trabalhadores em educação estão prontos para atuar junto com os gestores em defesa de mais verbas para a educação pública, porém não tolerarão o descumprimento da Lei do Piso.

Publicado por CNTE, Sexta, 16 Janeiro 2015 17:02

quinta-feira, 15 de janeiro de 2015

Inscrições abertas para curso gratuito de prevenção ao uso de drogas

A Universidade Federal de Minas Gerais está com inscrições abertas, até 31 de janeiro, para o curso de 'Aperfeiçoamento em Prevenção ao Uso de Drogas'. A qualificação – gratuita e a distância – é ofertada pelo Centro de Apoio à Educação a Distância (Caed/UFMG) por meio do Programa Universidade Aberta do Brasil (UAB).

São, no total, 500 vagas para todo o país, sendo 350 destinadas a professores da rede pública de ensino e 150 para candidatos de demanda social – profissionais que integram a equipe do Programa de Saúde na Escola (PSE), representantes de organizações com interesse nas áreas de educação e saúde, prevenção ao uso de drogas, além de pessoas da comunidade em geral.

Interessados em se inscrever devem, primeiramente, ler o edital de seleção. Em seguida, preencher o formulário de inscrição e anexar as cópias dos documentos exigidos no edital.

Os candidatos devem ter disponibilidade de 10 horas semanais para dedicar-se às atividades do curso, além de familiaridade com o uso de computadores e internet, saber realizar navegação on-line para conseguir participar de discussões, de avaliações e para desenvolver outras atividades encaminhadas pelos tutores.

Com carga horária de 180 horas, a qualificação será realizada de março a setembro e está dividida nos seguintes módulos: O educando como sujeito em desenvolvimento: família, escola e políticas públicas; Conceitos e abordagens sobre drogas e prevenção; A Prevenção do Uso de Drogas no Modelo da Educação para a Saúde e das Redes Sociais, Ações preventivas do uso de drogas na escola e Projeto de prevenção na escola.

Seleção

O processo seletivo será constituído de uma única etapa, de prova de títulos, com caráter classificatório, na qual serão consideradas a experiência e a formação acadêmica do candidato. Em caso de empate, os critérios para classificação serão a nota da prova de títulos e o tempo de exercício do magistério, nessa ordem. Haverá uma lista de espera de 100 pessoas, além das 500 aprovadas. 

O resultado final sai no dia 23 de fevereiro no site do Caed/UFMG

quarta-feira, 14 de janeiro de 2015

Matrículas abertas para turno noturno do CPM



As matrículas para o Colégio da Polícia Militar(CPM)  de Ilhéus, do noturno, já estão abertas, com vagas para o Tempo de Aprender e Ensino Médio Regular 1º,2º e 3º ano. Os interessados devem procurar a secretaria da escola, das 16 as 20 horas.