APLB

terça-feira, 15 de julho de 2014

O prefeito de Ilhéus pode demitir os contratados do período de 1983 a 1988? Chegou a hora da Verdade. Participe da Mesa Redonda e tire todas as suas dúvidas.


Marcha denuncia situação de abandono da educação em Ilhéus



Trabalhadores em educação, estudantes, pais de alunos e profissionais liberais foram às ruas de Ilhéus na manhã desta terça-feira (15) denunciar a situação de abandono das escolas da rede municipal e cobrar do prefeito Jabes Ribeiro o cumprimento da lei que garante o pagamento do piso nacional e o reajuste anual dos servidores. O movimento começou com uma concentração na praça do Tamarineiro, no bairro do Malhado, seguindo até a Central de Abastecimento onde foi realizada uma panfletagem mostrando aos comerciantes, comerciários e consumidores o verdadeiro quadro da educação no município, com escolas em péssimas condições de funcionamento, unidades em que ainda não foram iniciado o ano letivo, além da falta de transporte e da alimentação escolar.

Por onde passavam os manifestantes recebiam o apoio da comunidade, que denunciou não somente problemas na educação, mas também nas áreas de saúde, assistência social e infraestrutura. De acordo com presidente da APPI/APLB-Sindicato, Enilda Mendonça, a situação da educação em Ilhéus é crítica, com escolas sem a menor condição de funcionar, além da postura do prefeito de descumprir a decisão judicial que determinou o pagamento do piso nacional e o reajuste anual dos demais trabalhadores.
 
Com salários congelados desde 2012, sem receber nesse período qualquer reajuste ou reposição, os trabalhadores ainda foram surpreendidos com a decisão arbitrária do prefeito Jabes Ribeiro de descontar dos vencimentos dos servidores os dias em que foram realizadas paralisações e assembléias, como forma de amedrontar a categoria para que desista da luta pelos seus direitos. A APPI já denunciou o prefeito pelo crime de assédio moral e entrou com um mandado de segurança na justiça solicitando a devolução desse dinheiro descontado de forma ilegal.

Durante a marcha, a representante da APLB estadual, Olívia Mendes, reafirmou que Ilhéus é conhecida internacionalmente pela suas belezas naturais, mas o prefeito Jabes Ribeiro mancha a história da cidade com sua truculência e com o desrespeito às leis. De acordo com a dirigente sindical, o prefeito é desinformado, ditador e covarde, descumprindo a legislação e se escondendo nos gabinetes, ao invés de encarar os problemas da cidade. Segundo Olívia Mendes, Jabes Ribeiro é um nome que precisa ser riscado da mente, da história e da vida dos ilheenses pelos crimes que comete e pelos prejuízos que tem causado ao município.

Enilda Mendonça falou ainda sobre as ameaças do prefeito de demitir os trabalhadores que ingressaram no serviço público municipal no período de 1983 a 1988. Para esclarecer todas as dúvidas dos trabalhadores e estabelecer a verdade, os sindicatos de todas as categorias de servidores municipais estarão realizando uma mesa redonda nesta sexta-feira, dia 18 de agosto, às 14 horas, no Centro de Convenções Luís Eduardo Magalhães. O evento vai contar com a participação de representantes do Ministério Público Federal do Trabalho, Ministério Público Estadual, Tribunal de Contas dos Municípios, Ordem dos Advogados do Brasil, Universidade Estadual de Santa Cruz e de vários outros e entidades da região.