APLB

quinta-feira, 16 de março de 2017

TRABALHADORES EM EDUCAÇÃO ADEREM À GREVE GERAL


De acordo com a direção da APPI/APLB, o movimento de paralisação das escolas públicas - redes municipal e estadual - em Ilhéus em protesto contra a Reforma da Previdência proposta pelo governo federal, tem adesão significativa. Os números apresentados pelas lideranças do movimento dão conta de que 100 por cento dos professores do município aderiram à paralisação, que segue até dia 24. Na rede estadual, o índice chega a 80 por cento, segundo o sindicato.
Nesta sexta-feira (17) pela manhã, os professores farão panfletagem na região do Malhado, informando a população os motivos do movimento.  Às 14h, na sede da APPI, haverá um Coletivo de Juventude, com a participação de jovens lideranças engajadas nesta luta. E às 16h30, também na sede da entidade, haverá um Sarau Cultural.

Fonte http://jornalbahiaonline.com.br

AGENDA DE MOBILIZAÇÃO - Sexta-feira (17/03)


  • Panfletagem – 9h, no Malhado (concentração na APPI)

  • Coletivo de Juventude – 14h, na sede da APPI

  • Sarau Cultural da Educação – 16h30, na sede da APPI


MODELO DE DECLARAÇÃO DE OPÇÃO DO REGIME DE TRABALHO

ATENÇÃO TRABALHADORES EM EDUCAÇÃO:

SEGUE MODELO DE DECLARAÇÃO DE OPÇÃO DE REGIME DE TRABALHO. LEMBRAMOS A TODOS QUE O PRAZO DE PROTOCOLO ENCERRA DIA 13/04. O TRABALHADOR DEVE COLOCAR JUNTO A DECLARAÇÃO CÓPIA DO RG E CONTRACHEQUE.



IMAGENS DA MOBILIZAÇÃO - Trabalhadores realizaram grande movimento em Ilhéus

Trabalhadores, estudantes e representantes sindicais participaram nesta quarta-feira (15/03) do protesto promovido pela APPI/APLB - em parceria com outras instituições - contra a Reforma da Previdência e em defesa do “Fora Temer”. Centenas de pessoas percorreram, à tarde, as principais ruas do centro de Ilhéus.


Manifestações de apoio ao movimento vindas das lojas, agências bancárias, postos de gasolina, dentre outros estabelecimentos, e de pessoas que transitivam na região comercial de Ilhéus, deram o tom de valorização ao movimento. 


O ponto final da caminhada foi a porta do Palácio Paranaguá, sede do governo municipal.Em seguida, lideranças como o presidente da APPI, Osman Nogueira, e a secretária intermunicipal da entidade, Enilda Mendonça, ocuparam o plenário da Câmara de Vereadores para falar sobre a importância do movimento. “Vivemos um momento especial. A classe trabalhadora passa por uma cruel tentativa do governo de privatizar a previdência. Passos que estão sendo dados pela privatização. Do jeito que está ninguém vai se aposentar”, criticou o presidente da APPI.


Na Câmara, Osman Nogueira lembrou que os trabalhadores em educação já paralisaram as suas atividades e vão permanecer em greve até o próximo dia 24, em protesto contra a Reforma da Previdência. Para o presidente do Sindborracha, Gerival Bispo, “o movimento ganha destaque porque o governo está aí para destruir conquistas do trabalhador e vamos continuar atentos”. O sindicalista Valdemir, presidente do Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Ilhéus, lembra que o trabalhador não deve nada ao governo. “Não podemos pagar o preço de um débito que não é nosso”, discursou.