APLB

quarta-feira, 5 de junho de 2013

Trabalhadores em educação farão paralisação de advertência de 02 dias

Os trabalhadores em educação da rede municipal de Ilhéus decidiram, em assembleia da categoria realizada na manhã desta quarta-feira (05), no auditório do Instituto Municipal de Ensino (IME-Centro), realizar uma paralisação de advertências de dois dias, nas próxima terça e quarta-feira, dias 11 e 12 de junho, em sinal de protesto contra a demora do governo municipal de fechar o acordo da Campanha Salarial 2013. Os trabalhadores também decidiram realizar uma assembleia com pais e alunos, na próxima terça-feira, às 14 horas, no auditório do IME-Centro, para explicar a situação e apontar os prejuízos para a educação caso o acordo da campanha salarial 2013 não seja assinado.

Outra decisão da categoria foi a da realização de uma nova assembleia dos trabalhadores em educação na próxima quarta-feira, dia 12, também às 14 horas, no auditório do IME-Centro, para avaliar o movimento e decidir quais as medidas que serão adotadas caso o governo municipal não sinalize para a assinatura do acordo. Logo após a assembleia os trabalhadores em educação seguirão em passeata até a Câmara de Vereadores para explicar a situação e solicitar o apoio dos parlamentares nessa luta pela assinatura do acordo da campanha salarial.

A presidente da APPI/APLB-Sindicato, Enilda Mendonça, informou que em 03 de janeiro desse ano, logo após a posse do atual prefeito, o sindicato solicitou, através de ofício, uma audiência com o governo municipal para discutir a pauta da campanha salarial. Somente meses depois o governo sinalizou para iniciar as discussões, mas o acordo ainda não foi assinado. A APPI alerta ao governo que a data base da categoria dos docentes é no dia 01 de janeiro, daí a necessidade de discutir, em caráter de urgência, os itens da pauta da Campanha Salarial 2013.

De acordo com Enilda Mendonça, dos cinco municípios sob a jurisdição da Delegacia Sindical Costa do Cacau, somente Ilhéus ainda não assinou o acordo com a categoria para o pagamento do piso nacional. A demora no fechamento do acordo para o pagamento do piso nacional, segundo explica a presidente da APPI, pode trazer prejuízos para o município, já que a data base da categoria é no dia 1º de janeiro, o que significa dizer que o reajuste deve ser retroativo a esta data. Os trabalhadores em educação ainda aguardam a sinalização do governo municipal com relação ao índice de reajuste salarial dos servidores não docentes.