APLB

segunda-feira, 19 de abril de 2010

POLÍTICAS DE ABRIGAMENTO PARA MULHERES VÍTIMAS DE VIOLÊNCIA


O Estado da Bahia há muito tempo vem discutindo políticas públicas para as mulheres principalmente no que tange a questões relacionadas à violência.
Em todo o Brasil, mulheres que sofreram e sofrem atos violentos passam por muitos problemas e um dos maiores deles é justamente a falta de justiça. Mesmo com a Lei Maria da Penha em vigor, muitas mulheres vitimizadas continuam se encolhendo, ficam em sigilo por medo de sofrer mais cenas violentas, por medo principalmente de não ter apoio e ficar ao léo.
A partir de muitos estudos, ficou comprovado que uma das soluções está justamente na política de abrigamento para mulheres, vítimas de violências. Mulheres que denunciem seus agressores e tenham apoio médico-psicológico, um espaço para morar e até mesmo para recomeçar.
Essa casa abrigo para mulheres vitimizadas, é de grande importância, é um pontapé inicial para se rediscutir políticas públicas e ajudar na minimização desse grande problema social que é a violência em todas suas intâncias.
Vamos lutar para que nossa cidade tenha também uma casa abrigo, vamos participar das discussões e exigir do governo providências, afinal a violência está presente em todas as camadas sociais, em todos os níveis.
A APPI-APLB já tem assento no Conselho da Mulher no município de Ilhéus e está abraçando a causa da política de abrigamento para mulheres em situação de violência.
Juntos, conseguiremos alcançar nossos objetivos!!!


QUASE 1200 PESSOAS PARTICIPARAM DA AUDIÊNCIA PÚBLICA EM ILHÉUS

Cerca de 1200 pessoas participaram das discussões acerca da implantação da Bahia Mineração, Porto Sul, Ferrovia Leste-Oeste e a construção do Aeroporto Internacional de Ilhéus. Também nessa audiência, discutiu-se sobre o impacto ambiental na região da costa do cacau.
Segundo o secretário da Indústria Naval e Portuária, Roberto Benjamin, cerca de 1900 empregos diretos surgirão na fase de implantação do projeto totalizando um investimento de R$ 1,8 bilhão para a região.
Já o gerente de Comunicação e Desenvolvimento Sustentável da Bahia Mineração, Amaury Pekman, disse que em Ilhéus somente na implantação do terminal portuário serão gerados 50 milhões de ICMS.
Resta saber se isso será de fato concretizado. Quem sabe, o governo municipal diante de tantos impostos cumprirá definitivamente com a aplicação dos recursos destinados à educação!



CNE PROPÕE IDADE MÍNIMA PARA ESTUDANTES DA EJA


O Conselho Nacional de Educação- CNE, vai fixar uma idade mínima para a Educação de Jovens e Adultos para todas as escolas brasileiras.
De acordo com o conselheiro César Callegari, para cursar o equivalente ao ensino fundamental será preciso ter pelo menos 15 anos e, para o ensino médio, 18 anos. Essa proposta precisa ainda ser homologada pelo Ministro da Educação Fernando Haddad. Sendo homologada, a medida trará benefícios para muitas crianças e adolescentes que estudam em salas de EJA sem necessidade. Muitas crianças e adolescentes devem estar em um processo de educação regular, convivendo com pessoas da mesma idade, o que não acontece na maioria dos casos.

Quatro universidades federais da Bahia, Mato Grosso, Tocantins e Minas Gerais apresentaram planos de trabalho ao Ministério da Educação, abrindo 1.680 vagas para o curso de especialização em coordenação pedagógica. A pós-graduação é para profissionais das redes públicas da educação básica dos municípios com baixo Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb).
De acordo com Magaly Chaves Campos, coordenadora geral de sistemas de educação da Secretaria de Educação Básica (SEB) do MEC, 29 universidades federais que aderiram ao Programa Nacional Escola de Gestores, entre 2007 e 2009, também devem apresentar projetos para o curso em 2010 e 2011. A qualificação das equipes da gestão pedagógica das escolas, explica Magaly, contribui para a melhoria da qualidade do ensino público e, consequentemente, do Ideb.
As 1.680 vagas estão assim distribuídas entre as universidades federais: da Bahia (UFBA), 480 vagas; Mato Grosso (UFMT), 400 vagas; Tocantins, (UFTO), 400, e Viçosa (UFV), em Minas Gerais, 400. Para essas instituições, os educadores já foram selecionados e devem começar o curso entre abril e maio.
A pós-graduação em gestão pedagógica é na modalidade a distância, com carga de 400 horas e duração entre 12 e 18 meses. Os profissionais vão estudar como se organiza o trabalho educacional no âmbito da escola e da sala de aula. Para fazer o curso, o educador deve ter licenciatura plena ou graduação em pedagogia. É ministrado por universidades federais sob a coordenação da Secretaria de Educação Básica (SEB) e com a colaboração da Secretaria de Educação a Distância (Seed) e o Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE).

Escola de Gestores – A pós-graduação em gestão pedagógica integra o Programa Nacional Escola de Gestores, que é uma das ações do Plano de Desenvolvimento da Educação (PDE), lançado em abril de 2007. O objetivo da Escola de Gestores é qualificar diretores e vice-diretores das redes públicas da educação básica, na perspectiva da gestão democrática e do direito à educação de qualidade, e as equipes pedagógicas. Para diretores e vices, a pós-graduação em gestão escolar começou em 2007, com 4 mil vagas; em 2008 foram abertas 6.600 vagas; e em 2009, 7.796.

Fonte: MEC

ATENÇÃO COLEGAS!!!

ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO ESCOLAR. Maiores informações no site www.escoladegestores.faced.ufba.br.