APLB

quarta-feira, 4 de fevereiro de 2009

PROFESSORES MUNICIPAIS DE URUÇUCA E SINDICATO MOBILIZADOS CONTRA TENTATIVA DE ACABAR COM O PLANO DE CARREIRA

PROFESSORES MUNICIPAIS DE URUÇUCA E SINDICATO MOBILIZADOS CONTRA TENTATIVA DE ACABAR COM O PLANO DE CARREIRA


Os Professores da Rede Municipal de Uruçuca, juntamente com as Direções da APPI e do Núcleo Sindical de Uruçuca, estiveram reunidos com os Vereadores Uruçuquenses, no dia 29/01/2009, para explicar a importância do atual Plano de Carreira, Cargos e Salários do Magistério Público Municipal e que a sua implementação não criou problemas financeiros para o Município, visto que os recursos para sua implementação são oriundos do FUNDEB - Fundo de Desenvolvimento da Educação Básica, dos quais 60% são destinados a remuneração de Trabalhadores em Educação (Professores, Merendeiras, Porteiros, Auxiliar de Serviço Gerais).


A reunião, que aconteceu na Câmara de Vereadores, teve forte participação da categoria onde após mais uma vez agradecer os Vereadores reeleitos pela aprovação do Plano em 2008, solicitaram dos antigos e novos Vereadores que assumam compromisso pela defesa da educação e dos professores da Rede Municipal de Ensino de Uruçuca.
Sem um explicação lógica e que realmente seja plausivel, o Prefeito de Uruçuca vem tentando convencer os Vereadores a aceitarem realizar alterações que vão desde retirar algumas conquistas, a exemplo da Eleição Direta para Diretores e Vices-Diretores das Escolas Municipais, até a suspensão do Plano. Os derespeitos aos Professores e o descumprimento da Lei de Plano de Carreira, Cargos e Salários do Magistério que o prefeito vem praticando, pode levar a categoria a não iniciar o ano letivo em Uruçuca.
Entra em vigor a política nacional de formação de professores

O Ministério da Educação firmou na quarta- feira (28) os termos de cooperação com 15 Estados para oferecer cursos de formação para 360 mil professores do ensino básico das redes municipais e estaduais. A política nacional de formação de profissionais do magistério estabelece que União, estados, municípios e o Distrito Federal deverão atuar em regime de colaboração para a formação inicial e continuada de professores. O decreto também estabelece as bases para a atuação da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes), na organização e promoção dos programas de formação inicial e continuada, por meio dos acordos de cooperação técnica.
As parcerias permitirão que todos os estados do Nordeste, além de Amazonas, Amapá, Mato Grosso, Pará, Roraima e Tocantins, ofereçam formação de primeira e segunda licenciaturas e formação pedagógica a cerca de 320 mil professores da educação básica pública. A ação foi proposta pelos estados em seus Planos de Ações Articuladas (PAR). O programa é oferecido a todos os estados e se soma às medidas previamente adotadas pelos governos estaduais, municipais e instituições de ensino superior para formação de professores.
Com a política nacional, o MEC pretende aumentar o número de professores formados por instituições públicas de educação superior e garantir um padrão de qualidade para os cursos de formação, ao adaptar os currículos à realidade da sala de aula.
O ministério atuará na concessão de bolsas de estudo e de pesquisas para professores e no apoio financeiro aos entes federativos e às instituições públicas para implantação de programas, projetos e cursos. Também serão oferecidas mais vagas em cursos de licenciatura e de pedagogia nas instituições públicas de educação superior, nas modalidades presencial e a distância.
Fonte: Ministério da Educação e Folha de São Paulo 28/1/2009