APLB

sexta-feira, 12 de dezembro de 2008

ESCOLA DE ILHÉUS NA ERA FLINSTONES

ESCOLA DE ILHÉUS NA ERA FLINSTONES
As crianças do povoado de Sapucaeira, matriculados na Escola Nucleada de Olivença (Sala Isolada de Aramari) pertencente à Prefeitura de Ilhéus, têm o ano letivo interrompido e finalizado sem concluir seus estudos.








O prédio onde funcionava a Sala de Aramari não tinha a menor condição física de abrigar uma sala de aula, ou qualquer outra atividade. Com seu acesso por meio de um caminho tomado pelo mato, sem água potável, livros jogados no "banheiro", com rede elétrica totalmente danificada, um telhado em vias de cair e, por fim, uma parede que desabou. Mas não foi o fim do drama das crianças de Sapucaeira. Realocadas para uma sala nos fundos de uma pequena igreja, mais uma vez os alunos foram enviados para casa, desta vez, definitivamente, pois o telhado da "nova" sala desabara.
Talvez, um painel encontrado no interior das ruínas da "sala de aula" seja a melhor identificação dos tempos atualmente vivenciados pela educação de Ilhéus, estamos na era Flinstones.






O ano letivo deveria se encerrar somente neste dia 12/12, mas foi encerrado no mês de novembro.
Este levantamento faz parte de um dossiê que a APPI-Delegacia Sindical da APLB/Sindicato iniciou, nesta manhã, sobre a situação das escolas de Ilhéus.
As fotos aqui apresentadas falam mais do que nossas palavras.






(12/12/08) PF cumpre mandatos nas prefeituras de Ilhéus, Itabuna, Itapé e Ubatã.


A Polícia Federal desde a madrugada hoje (12), através de mandatos de busca e apreensão, cercou simultaneamente em uma ação conjunta da Controladoria Geral da União (CGU) e Ministério Público Federal (MPF), os prédios da administração do município Ilhéus, o Palácio Paranaguá, Secretaria de Saúde, e Secretaria de Serviços Públicos na Avenida Itabuna, conhecida como Carandiru.A operação comandada pelo delegado da PF Eduardo Adolfo do Carmo Assis, investiga contratos firmados entre o município e diversas empresas desde 2006. O objetivo é identificar supostas irregularidades dos pagamentos, feitos a determinadas pessoas jurídicas, em convênios envolvendo recursos federais. Na prefeitura de Ilhéus, neste momento, os agentes continuam vasculhando os computadores da PMI e apreendendo documentos.Veja mais...
Fonte: OTabuleiro