APLB

sexta-feira, 11 de setembro de 2015

Professora nega agressões contra servidora da Prefeitura de Ilhéus



A professa aposentada acusada de ter agredido uma servidora do setor de Recursos Humanos da Prefeitura de Ilhéus com uma tesoura, fato ocorrido no mês passado, procurou na manhã desta sexta-feira (11) a APPI/APLB-Sindicato para esclarecer que as informações divulgadas nos veículos de comunicação não foram verdadeiras e o que aconteceu de fato foi o contrário, sendo ela que foi desrespeitada, ameaçada e agredida moral e fisicamente pela servidora. Emocionada e abalada com o fato e com a repercussão do caso, a professora aposentada relatou que a própria servidora se feriu ao dar tentar agredir a educadora e acertar o vidro da janela, causando ferimentos e atingindo também o chefe do setor de recursos humanos da Prefeitura.

De acordo com a professora aposentada, no dia 12 de agosto foi ao setor de Recursos Humanos para buscar informações e documentos, sendo recebido com as agressões da servidora que, visivelmente descontrolada, partiu ara os xingamentos e agressões. Não satisfeita, a servidora partiu para agredir fisicamente a professora, que se esquivou e o soco acabou atingindo a janela, quebrando o vidro e espalhando estilhaços que feriram o chefe do setor. Assustada, a professora aposentada, que disse ter problemas de hipertensão, saiu da Prefeitura passando mal, sendo xingada pelos corredores e aos berros da servidora.

A professora chora ao relembrar do fato e a todo momento diz que não fez nada com a servidora para ter sido recebida daquela maneira. “Fui professora em várias escolas e sempre tive uma boa relação com todos. Quem me conhece sabe. Pode perguntar aos meus ex-colegas e diretores”, justifica. A demora da professora em procurar o sindicato e a imprensa para esclarecer os fatos foi por conta dos problemas de saúde. Desde o ocorrido e diante da repercussão do fato, a professora aposentada agravou seus problemas de saúde. Tem vivido à base de medicação e por não querer dar repercussão maior ao caso e muito menos travar uma exaustiva briga na justiça, optou em não seguir adiante com o processo contra a servidora.