APLB

terça-feira, 29 de julho de 2008

MSC: MOVIMENTO DOS SEM CARTÕES

MSC: MOVIMENTO DOS SEM CARTÕES

Não bastasse o Prefeito não pagar os 6% (seis por cento) acordados com os Professores, alguns poucos sortiados que se dirigiram ao Banco do Brasil tiveram uma surpresa nada agradável, os cartões para saque não estavam prontos.

PREFEITO NEWTON DEU CALOTE NOS PROFESSORES

PREFEITO NEWTON DEU CALOTE NOS PROFESSORES

O Prefeito de Ilhéus deu o calote nos Professores da Rede Municipal de Ensino. A comparecerem ao Banco para sacar seus salários, Os Professores perceberam que os 6% (seis por cento) assinado pelo Prefeito no Acordo da Campanha Salarial não fora acrescentado em seus proventos.

Apesar do Prefeito e sua assessoria terem divulgado a antecipação da data de pagamento dos Servidores Municipais, a coisa não passou de uma grande mentira. Ainda hoje (29/07), data oficial de pagamento, muitos Servidores não receberam seus salários.
Informações oriundas da Prefeitura dão conta que os 6% serão pagos em folha extra. Surge-nos uma questão: Será que o atraso começa a se dar, na aguarda dos Repasses do Governo Federal a serem efetuados no início do mês de Agosto?

sexta-feira, 25 de julho de 2008

CAE DENUNCIA PREFEITO DE ILHÉUS NO MINISTÉRIO PÚBLICO

CAE DENUNCIA PREFEITO DE ILHÉUS NO MINISTÉRIO PÚBLICO

Em função dos diversos desmandos que vêm ocorrendo na execução do PNAE-Programa Nacional de Alimentação Escolar, chegando ao nível de deixar os alunos sem merendo desde o início do 2º semestre, a Presidente do CAE-Conselho de Alimentação Escolar de Ilhéus, Professora Jaciara da Silva Santos, protocolou no Ministério Público Estadual um pedido de apuração das irregularidades cometidas pelo Sr. Prefeito, ao descumprir as normas e termos do convênio de execução do PNAE, solicitando, ainda, que o Chefe do Executivo seja enquadrado em crime de improbidade administrativa pelas irregularidades apontadas.

A apresentação das denúncias contra o Prefeito ocorreu na tarde desta sexta-feira (25/07), quando a Presidente fez a entrega da denúncia e dos documentos comprobatórios.

Entre os desrespeitos às normas do FNDE destacam-se a não realização dos termos de aceitabilidade, venda de doces e produtos com gorduras saturadas e gorduras trans, a não complementação pela Prefeitura dos recursos destinados ao Programa e o principal deles, a falta de merenda nas escolas.

A presidente do CAE-Ilhéus, também, denunciou a falta de estrutura das unidades escolares para execução do Programa, onde diversas escolas não têm água potável, energia elétrica e/ou uma rede elétrica que suporte equipamentos destinados a armazenagem e conservação dos produtos destinados ao PNAE.

PRESIDENTE DO CAE-ILHÉUS SOFRE AMEAÇAS APÓS DENUNCIAR PREFEITURA DE ILHÉUS

PRESIDENTE DO CAE-ILHÉUS SOFRE AMEAÇAS APÓS DENUNCIAR PREFEITURA DE ILHÉUS

A Presidente do CAE- Conselho de Alimentação Escolar de Ilhéus, Prof.ª Jaciara da Silva Santos, após ter denunciado a falta de merenda na Rede Municipal de Ensino de Ilhéus, sofreu ameaças, onde em vários telefonemas lhe diziam: “Cale a boca, pois você está falando demais”.

A denúncia, inicialmente feita no Blog da APPI-APLB/Sindicato, ganhou repercussão após matéria no Jornal A Tarde do dia 24/07/2008.

Os telefonemas ocorreram a partir das 22:00h, sendo 5 chamas seguidas, onde vozes (masculina) sempre repetia, “Cale a boca, pois você está falando demais”.

Apesar dos recursos federais estarem chegando normalmente à Prefeitura de Ilhéus, a falta de merenda tem sido uma constante nas escolas municipais.

Firme na sua posição continuar denunciando os desmandos na execução do Programa de Alimentação Escolar em Ilhéus, a Professora Jaciara prestou queixa das ameaças sofridas na Delegacia Especial de Atendimento à Mulher de Ilhéus, registrada sob nº 0962008001090.

quinta-feira, 24 de julho de 2008

PREFEITO DE ILHÉUS DEIXA 23 MIL SEM MERENDA

23 mil alunos sem merenda

A Tarde - ANA CRISTINA OLIVEIRA, da SUCURSAL ITABUNA

Zeka/Agência Alunos da Escola Pequeno Davi observam
cartaz que costuma anunciar a merenda, agora em falta
Um atraso no repasse da verba do Programa Nacional de Alimentação Escolar (Pnae) deixou 23 mil alunos de 60 escolas municipais de Ilhéus sem merenda. Há duas semanas o fornecimento está suspenso. A prefeitura deveria repassar os recursos. A denúncia é da presidente do Conselho de Alimentação Escolar (CAE) Jaciara da Silva Santos.
Segundo ela até o dia 1º deste mês o município recebeu R$ 500 mil do total de R$ 1 milhão previsto para este ano, mas a merenda não chegou às escolas e creches. A presidente diz que a verba é enviada ao município nos primeiros três dias de cada mês, mas a prefeitura só fez repasses em março e maio.
Segundo Jaciara a partir de junho houve também a mudança no sistema de compras, com as escolas perdendo a autonomia para realizá-las, via cotação. “Por exigência do CAE, em cumprimento a uma determinação do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE), o sistema de compra da merenda passou a ser por meio de licitação”, diz.
Jaciara diz que não sabe se as duas empresas vencedoras, Panan e Noeval Carvalho, receberam os recursos da prefeitura, pois ainda não entregaram os alimentos para o teste de aceitabilidade como determina o FNDE.
Defesa - O secretário municipal de Educação, Sebastião Maciel Costa diz que a falta de merenda ocorreu por conta da mudança do sistema de aquisição dos alimentos. Antes eram as diretoras que compravam e prestavam contas e agora a tarefa é das duas empresas que vão distribuir os alimentos nas escolas.
“Cada uma recebe o valor em alimentos de acordo com o número de alunos. A previsão de R$ 1 milhão para este ano não cobre toda a despesa com a merenda. A prefeitura tem que complementar com R$ 65 mil mensais”, enumera o secretário.
Para Maciel, o que está atrasando o processo é a burocracia para entrega de documentos e regularização das duas empresas, mas diz que até a semana que vem os alunos vão começar a receber a merenda.
A diretora do Instituto Municipal de Ensino Eusínio Lavigne (IME) reconhece que houve atrasos, mas conta que deu “um jeitinho” para conseguir distribuir a merenda aos cerca de 1.800 alunos da escola. Em fevereiro, por exemplo, Lindiney Campos de Azevedo disse que conseguiu dar merenda com o resto da verba de dezembro de 2007.
Em março já não foi possível, porque a verba só foi repassada no dia 31, sendo usada para comprar a merenda de abril. “Como em abril não houve repasse houve dificuldades para a merenda em maio, já que a verba chegou dia 19. O atraso serviu para dar a merenda em junho, mas a partir daí houve a mudança de cotação para licitação e nós estamos esperando a conclusão do processo para a retomada da distribuição da merenda”, relata.
Ela diz que desde 1997, quando as escolas passaram a ter autonomia para comprar a merenda, sempre houve atrasos, mas o CAE nunca denunciou. “Para mim isso deixa claro uma conotação política, aproveitando o período de eleição. O secretário está buscando melhorar a situação”, acrescenta.
A Escola Municipal Pequeno Davi tem 540 alunos de 1ª a 4ª série, em dois turnos. “Tive merenda até 20 de junho. Começamos o segundo semestre em 7 de julho e, em razão dessa mudança, ficamos sem merenda. Por isso estou soltando os alunos às 11 horas, meia hora antes”, diz Ednalva Souza Duarte, diretora da escola. Mas, de acordo com ela, não houve evasão, embora reconheça que em uma comunidade pobre a merenda é umas das razões para o aluno ir à escola.
Para a diretora, que trabalha há 30 anos na rede municipal, os problemas são resultados da má prestação de contas feitas por alguns diretores. “Por isso o CAE pressionou para mudar o sistema de cotação para licitação”, completa.
Os alunos lamentam estar sem merenda e destacam o que gostam no cardápio quando ela está regularizada. Yasmin Oliveira Nascimento, 12 anos diz que gosta mais quando servem macarrão com salsicha. Já Thales Carmo dos Santos, 13 anos, lista sopa, verdura, mingau, iogurte, pão e biscoito com destaque para o suco e feijão tropeiro.

segunda-feira, 21 de julho de 2008

FORRÓ FOI SUCESSO TOTAL...COMO SEMPRE!

FORRÓ FOI SUCESSO TOTAL...COMO SEMPRE!

Foi a opinião dos diversos colegas e convidados que participaram e curtiram a RESSACA DO FORRÓ DOS TRABALHADORES EM EDUCAÇÃO. Com grande participação da categoria, a festa contou também com a apresentação da Quadrilha Forró do Dinossauro e grande show da banda Zabumbahia.
Vejam as fotos:






Porteriormente postaremos as demais fotos.

sexta-feira, 18 de julho de 2008

PREFEITO DEIXA CRIANÇAS SEM MERENDA ESCOLAR

PREFEITO DE ILHÉUS DEIXA CRIANÇAS SEM MERENDA ESCOLAR

A informação é do CAE - Conselho de Alimentação Escolar, que aguarda a mais de 15(quinze) dias que a Prefeitura realize o teste de aceitabilidade, previsto na Resolução do FNDE que regula o Programa Nacional de Alimentação Escolar.

Apesar de vir recebendo normalmente as verbas do Programa Nacional de Alimentação Escolar enviada pelo Governo Federal, até o dia 1º de Julho a Prefeitura já recebeu quase Meio Milhão de Reais, mas merenda nas escolas nada!

O Prefeito Newton continua com o mesmo comportamento do seu companheiro e antecessor Valderico, mostrando que mudou o nome do ocupante do cargo, mas as práticas gestoras continuam as mesmas!


Agora, resta saber: Se houve a licitação para compra de gêneros da merenda escolar, no mês de junho, por que as escolas estão sem merenda?
Ressalte-se que a licitação foi realizada por exigência do CAE-Ilhéus.


terça-feira, 15 de julho de 2008

Eleições da APLB-Estadual foram canceladas pela Justiça

A tarde-online:
Eleições da APLB vão parar na Justiça
Agendada para os dias 28 e 29 desse mês, as eleições para a nova diretoria do Sindicato dos Trabalhadores em Educação (APLB) foram canceladas. Através de um parecer publicado nesta terça-feira, 15, a juíza do Trabalho Cecília Pontes Barreto determinou um prazo de dez dias para que seja organizada nova comissão eleitoral e escolhida nova data para o pleito. As chapas concorrentes terão de se reajustar para o novo processo eleitoral.
Entenda o caso:
Eleições da APLB vão parar na Justiça
Luciano da Matta/ Agência A TARDE
Hércules Azevedo representa a chapa 2
Eder Luis Santana, do A TARDE On Line
>> Diretor da APLB acredita que ação judicial é proposital
Acusações e disputa judicial. Esse é o cenário da eleição que definirá a nova diretoria do maior sindicato da Bahia, o Sindicato dos Trabalhadores em Educação (APLB). Duas chapas de oposição sonhavam em assumir a gestão da entidade, mas tiveram suas candidaturas cassadas. Agora, apenas a equipe da atual administração (a chapa 1), segue na disputa do pleito agendado para os dias 28 e 29 deste mês.
A oposição ingressou com ação no Tribunal Regional do Trabalho (TRT) para cancelar as eleições. De acordo com Hércules Azevedo, representante da chapa 2, a diretoria da APLB criou uma comissão para gerenciar as eleições, mas os três membros dessa Comissão Eleitoral tinham a intenção de rejeitar as candidaturas para deixar a chapa 1 como única concorrente.
“A APLB é comandada pelo mesmo grupo há 20 anos. São pessoas que querem se perpetuar no poder, mas não representam os desejos da categoria“, comenta Azevedo.
O processo está nas mãos da juíza do trabalho Cecília Pontes Barreto. Por meio da assessoria do TRT, a magistrada disse que não irá comentar o caso até ter um parecer definido.
Sindicato – Com 65 mil afiliados, a APLB aparece como um dos sindicatos mais cobiçados no meio político e sindical. É responsável por uma categoria – os professores – que participa de intensas lutas por melhorias trabalhistas. No ano passado, por exemplo, os docentes promoveram a maior greve da educação na Bahia, com a paralisação de 57 dias.
Além disso, a entidade tem de administrar a receita mensal de R$ 230 mil. A verba é conseguida com a arrecadação de 1% do salário dos afiliados que autorizam o desconto em folha.
A oposição promete também ingressar com ações na Justiça depois da APLB ter postado em seu site oficial diversas matérias sobre as supostas fraudes. No site, a chapa 2 aparece sob suspeita de fraude após um de seus integrantes se inscrever nas eleições utilizando o contra-cheque de uma colega. E o acusado ainda teria assinado o documento.
Já a chapa 3 aparece como suspeita depois de ter inscrito em sua equipe uma candidata que não era afiliada do sindicato. De acordo com Dalva Leite, membro da Comissão Eleitoral, é pré-requisito básico que todos os membros das chapas sejam afiliados da APLB por, no mínimo, um ano.
Os representantes das chapas sob suspeita afirmam que não houve intenção de fraudar o processo eleitoral. Hércules Azevedo, da chapa 2, e Anderson Silva, da chapa 3, admitem ter havido equívocos na entrega da documentação das chapas e alegam que a Comissão Eleitoral não deu tempo para se ajustarem as obrigações previstas no estatuto da APLB
Dalva Leite, da Comissão Eleitoral, nega que tenha havido a intenção de prejudicar as demais chapas e explica que todas as concorrentes tiveram pendências com documentos. “E todas foram notificadas em junho para regularizar a situação“, pontua.
Sobre as acusações de que a Comissão Eleitoral beneficiava a atual direção do sindicato, Dalva afirma que os três membros são pessoas que entendem da área sindical.
Além dela, que é vice-presidente da Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil (CTB) e diretora do Sindicato dos Comerciários de Salvador, fazem parte da equipe Roberto José de Santana, do Sindicato dos Trabalhadores da Indústria de Bebidas da Bahia, e Paulo Roberto Colombiano, trabalhador rodoviário que faz parte da oposição ao atual grupo do Sindicato dos Rodoviários.

quinta-feira, 10 de julho de 2008

Tá em "O Tabuleiro": Alunos da rede Pública Municipal de Ilhéus estão sem aula.

10/07/08 - Alunos da rede Pública Municipal de Ilhéus estão sem aula.
A professora e presidente da APPI, Enilda Mendonça esteve no programa “O Tabuleiro” na manhã desta quinta-feira para falar sobre a situação dos profissionais contratados da área de educação que foram demitidos e ainda não receberam os seus encargos sociais pelo tempo de serviço. Enilda Mendonça esclareceu que a APPI não é contra os profissionais contratados, más é contra a forma e o número de contratos existentes no município, de acordo com a professora existem somente na área de educação 1.149 profissionais contratados.Enilda comentou que vários boatos estão sendo espalhados pelas ruas de Ilhéus que tratam as demissões dos contratados como uma conseqüência da articulação entre a APPI e a Vereadora Carmelita Ângela. “Esses boatos estão inclusive sendo espalhados pelo próprio prefeito. Newton Lima foi a uma creche e disse que a APPI e a professora Carmelita que estão demitindo os contratados, isso infelizmente não é a postura esperada de um prefeito. A forma de contratação é regida pela Constituição Federal, más em Ilhéus essas Leis não estavam sendo cumpridas, os contratados sabiam que seriam demitidos no dia 30 de abril, é Lei só se pode trabalhar no Poder Público através de Concurso Público, as pessoas precisam saber que é Lei”.A professora lembrou também que a APPI e a vereadora Carmelita lutaram e continuam lutando pelas causas dos trabalhadores da educação. Ela afirmou ainda que além dos contratos vencidos no último dia 30 de junho, alguns trabalhadores ainda não receberam o 13º salário de 2006 e o mês de março de 2007. Ao final da entrevista o radialista Vila Nova acrescentou que infelizmente Ilhéus está vivendo um caos na administração pública. “Está um caos administrativo, enquanto isso, as escolas Municipais estão sem aula, prejudicando o ano letivo dos alunos, com a palavra o Excelentíssimo Senhor Prefeito de Ilhéus, Newton Lima”, Vila Nova.O Tabuleiro