APLB

quarta-feira, 29 de fevereiro de 2012

PUBLICADO NO DIÁRIO OFICIAL DE ILHÉUS A HOMOLOGAÇÃO DO CONCURSO PÚBLICO 01/2011

Foi publicado no Diário Oficial de ontem, 28/02/2012 (terça-feira), a homologação do último concurso público da Prefeitura Municipal de Ilhéus.
Segundo a Secretaria de Administração, ainda nesta semana sairá um calendário de convocações.
Clique na imagem abaixo para visualizar o Diário.

terça-feira, 28 de fevereiro de 2012

HOMOLOGADO O CONCURSO DA PREFEITURA MUNICIPAL DE ILHÉUS

Foi homologado na manhã desta terça-feira (28) pelo prefeito de Ilhéus, Newton Lima, e pelo secretário da Administração do Município, Fernando Hughes, o resultado final do concurso público referente ao edital nº 01/2011 para provimentos de cargos na Prefeitura de Ilhéus. Segundo explicou Fernando Hughes, ainda esta semana será elaborado um calendário de convocações, tendo como base a data de validade do certame.
 A homologação alcançou o resultado final do concurso público para os cargos de Agente de Trânsito; Engenheiro Agrônomo; Engenheiro Ambiental; Geógrafo; Professor Educação Infantil e Series Iniciais Zona Urbana 40 horas; Professor Educação Infantil e Series Iniciais Zona Urbana 20 horas; Professor Educação Infantil e Series Iniciais Zona Rural 40 horas; Professor Educação Infantil e Series Iniciais Zona Rural 20 horas; Professor Educação Infantil e Series Iniciais Zona Rural Difícil Acesso 40 horas; Professor Educação Infantil e Series Iniciais Zona Rural Difícil Acesso 20 horas; Professor Ciências Zona Rural 40 horas e Professor Ciências Zona Rural 20 horas.
 Também fazem parte dos cargos cujo resultado foi homologado, o Professor Matemática Zona Rural 40 horas; Professor Matemática Zona Rural 20 horas; Porteiro Zona Rural; Porteiro Zona Rural Difícil Acesso; Merendeira (o) Zona Urbana; Merendeira (o) Zona Rural; Merendeira (o) Zona Rural Difícil Acesso; Auxiliar de Serviços Gerais Zona Rural; Auxiliar de Serviços Gerais Zona Rural Difícil Acesso; Agente Administrativo Zona Urbana; Agente Administrativo Zona Rural; Vigilante Zona Rural; Vigilante Zona Rural Difícil Acesso; Nutricionista Zona Urbana; Motorista Zona Urbana. O decreto entra vigor a partir do dia 28 de fevereiro deste ano.

Fonte: Bahia Online

APPI APLB SINDICATO PRESTA CONTAS DO SEGUNDO SEMESTRE DE 2011 E JANEIRO DE 2012

Como acordado com a categoria, a APPI APLB Sindicato publica a prestação de contas do segundo semestre do ano de 2011 e de janeiro de 2012.
Clique nos links abaixo para visualizar a prestação de contas mês a mês.

Prestação de contas do mês de julho





Agosto http://dc219.4shared.com/download/pd00CfRf/agosto2011_2.html?tsid=20120228-132931-861d76e8

setembro http://www.4shared.com/file/zPwrUpcQ/setembro2011.html

outubro http://www.4shared.com/file/sAw5qiSY/outubro2011_2.html

novembro http://www.4shared.com/file/yc_z3rum/novembro2011.html

dezembro http://www.4shared.com/file/yc_z3rum/novembro2011.html

janeiro de 2012 clique na imagem abaixo



DIVULGADO O RESULTADO DO PSICOTESTE DO CONCURSO DA PREFEITURA DE ILHÉUS

Foi publicado no site do S&R Concursos e Pesquisas, o resultado do Psicoteste para candidatos aprovados no último concurso da Prefeitura Municipal de Ilhéus.
Clique no link abaixo para conferência da lista.
http://www.srconcursosepesquisas.com.br/v2/arquivos/anexos/7ff19d3453e8cf6279a1051d33228b1d.pdf

OBS: Qualquer informação sobre o processo seletivo, entrar em contato com a Prefeitura Municipal de Ilhéus através das Secretarias de Educação e de Administração 

MEC DIVULGA VALOR DO PISO NACIONAL

O Ministério da Educação (MEC) anunciou no final da tarde de hoje (27) o percentual de reajuste do piso nacional do magistério, que deve ser atualizado em 22,22% e passar para R$ 1.451. A atualização segue a determinação do artigo 5º da Lei 11.738, de 16 de junho de 2008, aprovada pelo Congresso Nacional. O piso salarial foi criado em cumprimento ao que estabelece o artigo 60, inciso III, alínea "e" do Ato das Disposições Constitucionais Transitórias.
Conforme a legislação vigente, a correção reflete a variação ocorrida no valor anual mínimo por aluno definido nacionalmente no Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (Fundeb) de 2011, em relação ao valor de 2010.
A Lei do Piso determina que nenhum professor pode receber menos do que o valor determinado por uma jornada de 40 horas semanais, que agora é de R$ 1.451. Questionada na Justiça por  governadores, a legislação foi confirmada pelo Supremo Tribunal Federal (STF) no ano passado.
Em 2011, o piso foi R$1.187 e, em 2010, R$ 1.024. Em 2009, primeiro ano da vigência da lei, o valor era R$ 950.
Entes federados argumentam que não têm recursos para pagar o valor estipulado pela lei. O dispositivo prevê que a União complemente o pagamento nesses casos. Mas, desde 2008, nenhum estado ou município recebeu os recursos porque, segundo o MEC, não conseguiu comprovar a falta de verbas para esse fim. (CNTE, com informações da Agência Brasil 27/02/12).

segunda-feira, 27 de fevereiro de 2012

REUNIÃO PARA PROFESSORES DA EDUCAÇÃO INFANTIL, ENSINO FUNDAMENTAL l E CRECHE

A APPI APLB Sindicato convida aos professores que atuam na Educação Infantil, Educação Fundamental I e Creche da Rede Municipal de Educação de Ilhéus para  uma reunião que tratará dos seguintes assuntos:
Redução da Jornada de Trabalho
Atividades Complementares(AC)

Data: 02/03/2012(sexta-feira)
Hora: 16H
Local: IME-Centro

sexta-feira, 24 de fevereiro de 2012

NOTÍCIAS SOBRE O PISO NACIONAL DO MAGISTÉRIO



Mais um ano letivo começou e permanece o impasse em torno da Lei do Piso Nacional do Magistério. Pela legislação aprovada em 2008, o valor mínimo a ser pago a um professor da rede pública com jornada de 40 horas semanais deveria ser reajustado anualmente em janeiro, mas muitos governos estaduais e prefeituras ainda não fizeram a correção.
Apesar de o texto da lei deixar claro que o reajuste deve ser calculado com base no crescimento dos valores do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica (Fundeb), governadores e prefeitos justificam que vão esperar o Ministério da Educação (MEC) se pronunciar oficialmente sobre o patamar definido para 2012. De acordo com o MEC, o valor será divulgado em breve e Estados e municípios que ainda não reajustaram o piso deverão pagar os valores devidos aos professores retroativos a janeiro.
O texto da legislação determina que a atualização do piso deverá ser calculada utilizando o mesmo percentual de crescimento do valor mínimo anual por aluno do Fundeb. As previsões para 2012 apontam que o aumento no fundo deverá ser em torno de 21% em comparação a 2011. O MEC espera a consolidação dos dados do Tesouro Nacional para fechar um número exato, mas em anos anteriores não houve grandes variações entre as estimativas e os dados consolidados.
"Criou-se uma cultura pelo MEC de divulgar o valor do piso para cada ano e isso é importante. Mas os governadores não podem usar isso como argumento para não pagar. Eles estão criando um passivo porque já devem dois meses de piso e não se mexeram para acertar as contas", reclama o presidente da Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação (CNTE), Roberto Leão. A entidade prepara uma paralisação nacional dos professores para os dias 14,15 e 16 de março. O objetivo é cobrar o cumprimento da Lei do Piso.
Se confirmado o índice de 21%, o valor a ser pago em 2012 será em torno de R$ 1.430. Em 2011, o piso foi R$ 1.187 e em 2010, R$ 1.024. Em 2009, primeiro ano da vigência da lei, o piso era R$ 950. Na Câmara dos Deputados tramita um projeto de lei para alterar o parâmetro de reajuste do piso que teria como base a variação da inflação. Por esse critério, o aumento em 2012 seria em torno de 7%, abaixo dos 21% previstos. A proposta não prosperou no Senado, mas na Câmara recebeu parecer positivo da Comissão de Finanças e Tributação.
A Lei do Piso determina que nenhum professor pode receber menos do valor determinado por uma jornada de 40 horas semanais. Questionada na Justiça por governadores, a legislação foi confirmada pelo Supremo Tribunal Federal (STF) no ano passado. Entes federados argumentam que não têm recursos para pagar o valor estipulado pela lei. O dispositivo prevê que a União complemente o pagamento nesses casos, mas desde 2008 nenhum estado ou município recebeu os recursos porque, segundo o MEC, não conseguiu comprovar a falta de verbas para esse fim.
"Os governadores e prefeitos estão fazendo uma brincadeira de tremendo mau gosto. É uma falta de respeito às leis, aos trabalhadores e aos eleitores tendo em vista as promessas que eles fazem durante a campanha de mais investimento na educação", cobra Leão.

FONTE: CNTE

PRÊMIO EXPERIÊNCIAS EDUCACIONAIS INCLUSIVAS – A ESCOLA APRENDENDO COM AS DIFERENÇAS



O Ministério da Educação – MEC por meio da Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão – MEC/SECADI, em conjunto com a Organização dos Estados Ibero-americanos para a Educação, a Ciência e a Cultura – OEI, com apoio do CONSED e da UNDIME e patrocínio da Fundação MAPFRE, instituiu o Prêmio Experiências Educacionais Inclusivas – a escola aprendendo com as diferenças por meio da Portaria nº. 1.246, de 15 de setembro de 2011, publicada no Diário Oficial da União de 16 de setembro de 2011.
Em sua primeira edição, o Prêmio Experiências Educacionais Inclusivas – a escola aprendendo com as diferenças, objetivou a identificação e valorização de experiências significativas para o processo de desenvolvimento inclusivo das escolas públicas brasileiras. Nesta oportunidade, foram inscritas 713 experiências, de mais de 420 municípios de todas as Unidades Federadas, das cinco regiões do país.
O II Prêmio Experiências Educacionais Inclusivas – a escola aprendendo com as diferenças mantêm como objetivos promover, difundir e valorizar experiências escolares inovadoras e efetivas de inclusão escolar de estudantes com deficiência, transtornos globais do desenvolvimento e altas habilidades/superdotação, realizadas por gestores, educadores, professores, estudantes.No II Prêmio Experiências Educacionais Inclusivas – a escola aprendendo com as diferenças serão premiados Relatos de Experiências das escolas públicas de educação básica e das secretarias de educação, além de Textos Narrativos produzidos por estudantes dos anos finais do ensino fundamental e do ensino médio, matriculados em escolas públicas brasileiras. Será, também, concedida Menção Honrosa à experiência inclusiva de educação infantil que se destacar.
Para ter acesso a maiores informações, clique no link abaixo.

FUNDAÇÃO BRADESCO REALIZA EVENTO EDUCACIONAL

O EventosFB apresentará a palestra "Tecnologias da Cisco para Educação", com Daniel Vicentini, no dia 27 de fevereiro de 2012, às 15:00 (Horário de Brasília).
Atualmente, é necessário que todos estejam atualizados quando falamos de tecnologia, uma vez que já faz parte da maioria das atividades que exercemos. A área de educação não foge desta regra! É vital que os alunos tenham contato com tecnologias para vivenciarem uma experiência diferenciada, facilitando o aprendizado.
Por esta razão, a Fundação Bradesco apresentará  as tecnologias da Cisco para atender as novas demandas e expectativas dos Alunos do século 21.
Para participar desse evento você precisará se registrar, mas atenção, o evento é totalmente on-line, as vagas são gratuitas e limitadas!

Vale ressaltar que, para  este tipo de evento a Fundação Bradesco não emite certificado mas participar é muito importante.

Para registrar-se no evento on-line clique abaixo:
Registro para evento

EDUCAÇÃO/TECNOLOGIAS DA ERA DIGITAL E QUALIDADE DE ENSINO

A urgência do país em modernizar a escola pública, com tecnologias da era digital, deve ser a mesma para se garantir as condições de acesso e permanência aos estudantes e aos que ainda não foram alfabetizados (cerca de 14 milhões de brasileiros/as!).
O papel da escola pública consiste em incluir pessoas no processo de construção e socialização do conhecimento e das vivências socioculturais. Há tempos que não basta mais assegurar a matrícula ou a merenda; é preciso garantir a qualidade da educação, cujo conteúdo extrapola o binômio ensino-aprendizagem - sobretudo sob a ameaça da padronização de currículos mínimos.
Com base nesses desafios, as novas tecnologias, que precisam ser incorporadas pela escola pública, cumprem, ao menos, dois objetivos importantes: possibilitam novas formas de comunicação e aprendizagem - bem mais acessíveis à linguagem das novas gerações - e garante a universalização do acesso, principalmente das camadas populares, a computadores e ao universo da tecnologia digital. Ademais, a aplicação das tecnologias na educação não deve ser vista como fim em si mesmo, mas como um instrumento pedagógico em benefício da aprendizagem.
A principal crítica ao programa recém lançado pelo MEC, de um computador para cada professor, consiste no fato de que faltam às escolas, e aos próprios docentes, condições mínimas para exercerem suas tarefas de educar crianças, jovens e adultos. Os prédios são sucateados e sem laboratórios, bibliotecas ou quadras esportivas, em muitos casos. Os salários e a formação profissional são defasados e as condições de trabalho precárias.
A CNTE entende que as políticas educacionais devam ser urgentes e sistêmicas. Os déficits educacionais, das matrículas e da qualidade, têm prejudicado cidadãos e o próprio país. E os computadores são mais um componente da defasagem da maioria dos sistemas de ensino, que já deveria contar com máquinas e acesso à internet banda larga.
Contudo, para que o programa do MEC atinja os objetivos esperados, além de garantir os hardwares e os softwares aos docentes, e depois aos estudantes, é preciso instrumentalizar a categoria por meio da formação continuada - que está emperrada no Ministério, também por culpa dos gestores estaduais e municipais que não criam condições para a atualização dos professores.
Um caminho promissor aos programas do MEC para a educação básica deve ser o de induzir os sistemas públicos de estados e municípios a observarem seus compromissos educacionais, sobretudo os definidos na Constituição, nas leis e em normativas do Conselho Nacional de Educação. De modo que a aplicação da jornada extraclasse e o cumprimento do valor mínimo de referência nacional para as carreiras do magistério, o piso, constituem os primeiros passos efetivos para o sucesso desse e de outros programas escolares.

 Fonte: CNTE 2012

quinta-feira, 16 de fevereiro de 2012

DIRETOR DA APLB, PROFESSOR RUI OLIVEIRA, TIRA DÚVIDAS SOBRE REAJUSTE SALARIAL

O professor Rui Oliveira, coordenador-geral da APLB-Sindicato e Secretário de Política Sindical da CNTE tira as dúvidas sobre o reajuste salarial do magistério da Rede Estadual do Ensino Fundamental e Médio do Estado da Bahia:
1. O governo estadual está aguardando que a presidente Dilma Rousseff publique o percentual do piso salarial, que será o mesmo da Educação da Rede Estadual.
2. A CNTE, por diversas vezes, com presença do professor Rui Oliveira, em Brasília, em audiências com os ministros Gilberto Carvalho, Ideli Salvatti e Aloísio Mercadante exigiu maior rapidez na publicação do referido piso salarial.
3. Por conta da demora da publicação, a CNTE programou para os dias 14, 15 e 16 de março uma paralisação nacional na Educação, como este site tem divulgado.
4. O governo estadual se comprometeu com o sindicato em anunciar em Diário Oficial – e reatroativo a
janeiro de 2012 – o índice de reajuste,  assim que for publicado pela Presidência da República o piso salarial.

CLIQUE AQUI  ACORDO PARA TER ACESSO AO TERMO DE ACORDO ASSINADO ENTRE EXECUTIVO ESTADUAL E SINDICATO.

quarta-feira, 15 de fevereiro de 2012

PROFESSORES SE REVOLTAM COM A PRESSÃO DE GOVERNADORES

Governadores do Rio, Sérgio Cabral, de Minas, Anastasia, do Espírito Santo, Casagrande, do Ceará, Cid Gomes e da Bahia, Jaques Wagner, mobilizam-se para diminuir o reajuste para os professores
A pressão dos governadores Sérgio Cabral (RJ), Antonio Anastasia (MG) , Renato Casagrande (ES), Cid Gomes (CE) e Jaques Wagner (BA) para que o presidente da Câmara, Marco Maia, determine o regime de urgência na votação do projeto de Lei que reduz o reajuste do piso nacional dos professores dos atuais 22%, este ano, para 6%, é um motivo a mais para que os trabalhadores da Educação parem, por tempo indeterminado, a partir da greve geral marcada entre os dias 14 e 16 de março. Maia confirmou a conversa com os cinco executivos estaduais, na véspera, durante a posse da presidenta da Petrobras, Maria das Graças Foster. Mas, por meio de sua assessoria, ele adiantou que "uma coisa é a pressão dos governadores, outra é a matéria entrar na pauta do Plenário".
Ao tomar conhecimento da ação dos governadores junto ao Legislativo, o presidente da Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação (CNTE), Roberto Franklin de Leão, repudiou a atitude e avisou que "a greve nacional será o momento em que os professores irão enfrentar estes cinco inimigos da Educação". O professor da Rede Oficial de Ensino de São Paulo acrescenta que a intenção dos dirigentes estaduais é "de romper um acordo feito no Senado", que mantinha o reajuste da categoria nas bases definidas pela Lei 11.738, de 2008, assinada pelo então presidente Luiz Inácio Lula da Silva e o ministro da Educação, à época, Fernando Haddad, hoje candidato a prefeito do Município de São Paulo.
Segundo Leão, os senadores mantiveram o parágrafo único do Artigo 5º, que prevê o reajuste dos professores segundo "o mesmo percentual de crescimento do valor anual mínimo por aluno referente aos anos iniciais do ensino fundamental urbano, definido nacionalmente", segundo os critérios do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (FUNDEB). Por este critério, o piso nacional seria reajustado em 22%, mas os governadores fluminense, mineiro, capixaba, cearense e baiano pressionam para que, na Câmara, este fator seja substituído pela variação do Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC), o que reduziria a 6% a correção dos salários dos mais de 2 milhões de profissionais que atuam apenas no Ensino Básico.
"Lamento profundamente que estes governadores se posicionem contra a valorização do Magistério. Eles se colocam no mesmo nível daqueles que interpuseram um recurso contra a legislação que visa reduzir injustiças históricas contra os professores. Mais lamentável, ainda, é a participação nesse grupo do governador da Bahia, Jaques Wagner, que acaba de enfrentar uma greve das forças de segurança. Ele contradiz tudo aquilo porque o Partido dos Trabalhadores sempre lutou. O mínimo que deveria fazer é se desligar desta legenda e procurar um partido neoliberal" afirmou Leão.
Procurado pelo Correio do Brasil, Wagner não desmentiu ou aquiesceu o que seu vizinho mineiro, Antonio Anastasia, admitiu com ressalvas. Por meio de seus assessores, o Palácio da Liberdade confirmou a conversa com o deputado Maia, durante a solenidade em que esteve presente, no Rio, mas fez questão de frisar que "o problema foi gerado durante o governo do presidente Lula", disse um porta-voz do governador tucano. Anastasia está na mira dos dirigentes sindicais "desde que o Tribunal de Contas da União constatou que o Estado não aplica nas escolas o que manda a Constituição", lembrou o presidente do CNTE. "É importante lembrar, também, que o governador cearense, Cid Gomes, botou a polícia na rua contra os professores", acrescentou Leão.
O governador do Espírito Santo, Renato Casagrande, disse estar em uma solenidade e não poderia responder ao CdB e o do Rio, Cabral, negou até mesmo haver participado do grupo que pressionou o presidente da Câmara, embora sua presença tenha sido confirmada tanto por Maia quanto pelo colega mineiro, Anastasia. (CORREIO DO BRASIL, 15/02/12)

REMARCADO O PSICOTESTE DO CONCURSO PÚBLICO

A APPI/APLB SINDICATO solicitou, via ofício, ao Executivo Municipal que fosse remarcado o exame Psicotécnico dos candidatos que não compareceram nos dias 06  e 07 de fevereiro tendo em vista que não houve uma ampla divulgação da realização do exame e em consequência do grande intervalo entre o resultado final e convocação deste exame  e a indefinição de previsão de datas por parte da gestão, houve uma desmobilização por parte dos candidatos.
O NOVO EXAME FOI REMARCADO PARA O DIA 24/02, NO IME.
Acesse o link abaixo da relação dos convocados.

APLB critica proposta de reduzir piso nacional dos professores

A notícia de que o governador Jaques Wagner, da Bahia, juntamente com os colegas Sérgio Cabral, do Rio de Janeiro, Cid Gomes, do Ceará, Renato Casagrande, do Espírito Santo, e Antonio Anastasia, de Minas Gerais, estavam articulando para que o deputado Marco Maia (PT-RS), presidente da Câmara Federal, colocar em votação projeto que reduz o piso nacional dos professores, causou surpresa e indignação nos meios educacionais baianos. O pedido ocorreu durante a posse de Maria Graças Foster na presidência da Petrobrás, segundo nota do jornal O Globo.
Para o coordenador geral da Associação dos Professores Licenciados da Bahia (APLB/Sindicato), Rui Oliveira, a proposta é completamente equivocada e vai na contramão do Plano Nacional da Educação do governo federal, que prevê a recuperação das perdas salariais dos profissionais da área que chegam a cerca de 60%. "Há o compromisso da presidente Dilma Rousseff em corrigir essa distorção", assinalou Oliveira.

O corrodenador da APLB/Sindicato lembra ainda que o governo baiano assinou, no ano passado, acordo com a entidade se comprometendo a conceder à categoria os mesmos índices de reajuste salarial do governo federal.
Também representante da Confederação dos Trabalhadores em Educação (CNTE), Oliveira informa que a entidade vai realizar em março uma greve nacional tendo como principais reinvidicações o piso salarial, o plano de carreira e a destinação de 10% do Produto Interno Bruto (PIB) para a Educação. "Os governadores que defendem redução do piso demonstram sua total falta de compromisso para com a Educação", alfineta Rui Oliveira, considerando difícil que eles consigam apoio da bancada federal para tal empreitada.
Conforme lembra o coordenador da APLB/Sindicato, cerca de um terço da Câmara Federal vai disputar as eleições municipais e, certamente, não vai querer "se queimar" com o eleitor votando um projeto dessa natureza. "Quero ver se Pelegrino, Alice Portugal ou ACM Neto vão mostrar-se favoráveis a tal aberração", desafiou.
Rui Oliveira ressalta, ainda, que caso a proposta ganhe fôlego e chegue a ser votada no Congresso Nacional, as entidades de todo o país estarão mobilizadas para expor publicamente o nome dos políticos traidores da educação. "Nem quero crer que isto seja sério", desabafou Oliveira.

terça-feira, 14 de fevereiro de 2012

SEGUNDO UNDIME,(União Nacional dos Dirigentes Municipais de Educação) MUNICÍPIOS NÃO INFORMAM CORRETAMENTE GASTOS COM EDUCAÇÃO

Nas contas dos municípios – pelo menos no que se refere à educação – o detalhamento dos gastos é colocado de lado e as prestações de contas são mais relatórios que vão cumprir a burocracia que instrumento de gestão e planejamento. Essa é uma das conclusões que se pode tirar do estudo Perfil dos Gastos Educacionais nos Municípios Brasileiros, realizado pela Undime (União Nacional dos Dirigentes Municipais de Educação)
“Não dá para dizer que uma criança de educação infantil custa R$ 3,75 por ano, como fez uma prefeitura”, afirmou Cleuza Repulho, presidente da Undime. Numa prestação de contas no sistema federal de controle de gastos (o Siope - Sistema de Informações sobre Orçamentos Públicos em Educação), um secretário municipal informou esse valor.
Segundo o relatório da Undime, “não há controle prático sobre os gastos que efetivamente são registrados nos balanços contábeis como realizados para manutenção e desenvolvimento da educação”. Para se ter uma ideia, os municípios foram responsáveis por 39,1% das verbas investida no setor em 2009, contra 19,7% da União segundo um estudo publicado pelo Ipea no final do ano passado.
Por determinação constitucional, os municípios são obrigados a aplicar pelo menos 25% da arrecadação de impostos e transferências em educação.
Leia mais sobre o assunto

http://educacao.uol.com.br/noticias/2012/02/13/municipios-nao-informam-corretamente-como-gastam-dinheiro-da-educacao.htm

NOTÍCIAS SOBRE DECLARAÇÃO DO IMPOSTO DE RENDA

O programa gerador do Imposto de Renda Pessoa Física 2012 poderá ser liberado na internet antes do dia 24, data estabelecida pela Receita Federal para disponibilizar o aplicativo. Tudo irá depender da homologação do programa. O supervisor nacional do Programa de Imposto de Renda, Joaquim Adir, passou a semana em Salvador para acompanhar os últimos testes na fábrica de software (programa de computador), localizada na capital baiana.
Segundo Joaquim Adir, se tudo der certo em 2012, a Receita Federal pretende liberar o programa antes do prazo de entrega da declaração para facilitar o preenchimento do documento pelo contribuinte. “É uma experiência que a gente está fazendo. Com a antecipação, o contribuinte poderá preencher os dados com tranquilidade, já que terá familiaridade com o aplicativo”, disse.
De acordo com ele, a antecipação também será vantajosa para quem faz várias declarações, incluindo os escritórios de contabilidade. Ele, no entanto, lembra que o contribuinte terá que esperar até março para enviar a declaração, mesmo que preencha o formulário antecipadamente. O prazo para a entrega do documento será entre 1º de março e 30 de abril.
Por enquanto, o contribuinte que quiser antecipar o preenchimento da declaração deverá separar a documento necessária, embora o prazo para as empresas entregarem a declaração com a relação de rendimentos pagos aos trabalhadores (o total do recolhimento em impostos e os descontos) termine no dia 29 de fevereiro.
A Receita Federal espera receber este ano mais de 25 milhões de declarações. Segundo Joaquim Adir, além da recomposição salarial, houve o ingresso de trabalhadores no mercado de trabalho. Em 2011, foram enviados 24,37 milhões de documentos. As regras para a Declaração do Imposto de Renda 2012, foram publicadas no último dia 6 no Diário Oficial da União.

FONTE: Daniel Lima



Da Agência da Brasil, em Brasília

JORNADA PEDAGÓGICA DAS ESCOLAS DO CAMPO 2012

Convidamos V. Sª a participar da I Jornada Pedagógica das Escolas do Campo 2012
 EDUCAÇÃO
EDUCAÇÃO


Tema:

Do dever de ensinar ao direito de aprender

Data: 15 de fevereiro de 2012
Horário: 08h00min
Local: Auditório da Secretaria da Fazenda (Em frente ao Banco do Brasil)





segunda-feira, 13 de fevereiro de 2012

PESQUISA MOSTRA QUE BÔNUS ESCOLARES NÃO DÃO RESULTADOS POSITIVOS

O ministro da Educação, Aloizio Mercadante, equivoca-se ao indicar a possibilidade de instituir política de bônus para as escolas que alfabetizarem as crianças até os 8 anos de idade. Isso porque os bônus têm sido aplicados em diversos estados, como São Paulo, Minas Gerais e Rio de Janeiro, sem que sejam alcançados os resultados que o ministro espera obter para o país: a melhoria da qualidade da educação e a extinção do analfabetismo funcional.
Para a CNTE, a maior garantia de aprendizagem para todos os estudantes – um direito civilizatório, como bem destacou o ministro em entrevista ao jornal O Estado de São Paulo, no último dia 11 – consiste em garantir a equidade na oferta educacional de qualidade, com a devida valorização dos profissionais da educação. E, nesse sentido, a política de bônus é duplamente perversa, pois ela tende a beneficiar as escolas de melhores condições (estruturais, profissionais e de nível socioeconômico das famílias usuárias) e a condenar aquelas que necessitam de mais investimentos.
No livro The Death and Life of the Great American School System (a morte e a vida do grande sistema escolar americano), Diane expõe os problemas dos bônus, destacando, exatamente, a punição às escolas, diretores e professores que não atingem as pontuações. Embora nos EUA tenham se chegado ao cúmulo de fechar as escolas e de demitir as equipes profissionais que ficaram abaixo das metas nacionais, no Brasil essa opção seria análoga ao desprezo das políticas públicas para com as escolas mais necessitadas (que não teriam direito ao bônus). Ou seja: é um incentivo a já lastimável desigualdade educacional.
Ainda no referido livro, Diane aponta os riscos para a tendência de a bonificação induzir os sistemas e as unidades escolares a rebaixarem os padrões do ensino com foco no desempenho dos testes nacionais padronizados. Estes, por sua vez, direcionam para a redução do currículo, comprometendo a qualidade social da educação.
Infelizmente, todo esse debate condenado no sistema americano continua na pauta do governo brasileiro, por meio das expectativas de aprendizagem (calcadas no currículo mínimo) e da transformação do Ideb (Índice de Desenvolvimento da Educação Básica) no principal instrumento para medir a qualidade da educação, mesmo com os componentes restritos que compõem as provas estandardizadas aplicadas pelo Inep/MEC.
A CNTE, ao contrário do que tem proposto o MEC, espera que as ações públicas do executivo e do parlamento comecem a rever a trajetória equivocada do padrão de qualidade para a educação básica, direcionando-o para as deliberações da 1ª Conferência Nacional de Educação, sobretudo para a instituição do sistema nacional de educação, para o aumento dos investimentos financeiros (10% do PIB até que a dívida educacional seja reparada) e aplicação do conceito de Custo Aluno Qualidade, para a gestão democrática das escolas e dos sistemas e para os conteúdos e práticas curriculares que valorizem os anseios sociais e a cultura das comunidades escolares.

FONTE: (CNTE, 13/02/12)

GOVERNADOR NOMEIA TITULARES E SUPLENTES DA NOVA COMPOSIÇÃO DO CEE-CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO

O Conselho Estadual de Educação, órgão colegiado da estrutura da Secretaria da Educação, representativo da sociedade na gestão democrática do sistema estadual de ensino, com sede na Capital, autonomia técnica e funcional, tem por finalidade disciplinar as atividades educacionais do ensino público e particular no âmbito do sistema estadual, exercendo funções deliberativas, normativas, fiscalizadoras e consultivas.



O QUE COMPETE AO CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO?

I - subsidiar a elaboração e acompanhar a execução do Plano Estadual de Educação;
II - deliberar e emitir parecer sobre assuntos da área educacional ou correlatos, por iniciativa de seus membros, quando solicitado por entidades interessadas ou pelo Secretário da Educação;
III - analisar e emitir parecer sobre questões relativa à aplicação da legislação educacional no âmbito de sua competência e jurisdição;
IV - elaborar e alterar o seu Regimento Interno, a ser aprovado pelo Governador do Estado;
V - manter intercâmbio com o Conselho Nacional de Educação, demais Conselhos de Educação e com instituições educacionais públicas e privadas;
VI - exercer, nos termos da Constituição do Estado da Bahia, a função deliberativa, normativa, fiscalizadora e consultiva do Sistema Estadual de Ensino;
VII - baixar normas sobre autorização, reconhecimento e credenciamento de estabelecimentos educacionais integrantes do sistema de ensino;
VIII - autorizar, reconhecer, credenciar, supervisionar e avaliar os cursos e as instituições de educação superior, integrantes do Sistema Estadual de Ensino;
IX - estabelecer normas complementares para o Sistema Estadual de Ensino, nos termos da legislação em vigor;
X - aprovar estatutos e regimentos dos estabelecimentos de ensino superior estaduais e municipais;
XI - fixar normas para aprovação de regimentos estabelecimentos escolares de educação básica e profissionalizante;
XII - exercer outras competências que lhe forem conferidas pela legislação em vigor ou estabelecidas no seu Regimento Interno;
XIII - delegar competências no âmbito de suas atribuições.

VEJA QUEM COMPÕE O ATUAL CONSELHO
 - Titular com mandato de quatro anos (mandato até 2016)

1. Alda Muniz Pepe
2. Ana Maria Silva Teixeira
3. Anatercia Ramos Lopes
4. Antonio Almerico Biondi Lima
5. Claudia Maria de Souza Moura
6. Clímaco Cesar Siqueira Dias
7. Iracy Picanço da Silva
8. João Henrique dos Santos Coutinho
9. Jorge Carneiro de Souza
10. Jucinalva Pinto Peruna
11. Rui Oliveira ( ATUAL DIRETOR GERAL DA APLB SINDICATO)
12. Solange Novis Ribeiro


2 – Suplente com mandato de quatro anos (mandato até 2016)

1. Astor de Castro Pessoa
2. Silvio Humberto dos Passos Cunha
3. Eduardo Nagib Boery

4. Joaquim de Oliveira Nogueira
5. Juvenal Teodoro da Silva
6. Renée Albagli Nogueira

3 – Suplente para completar mandato até 2014 (substituindo Clímaco Cesar Siqueira Dias)

1. Célia Tanajura Machado

SITE DO CEE-BAHIA

http://www.sec.ba.gov.br/cee/

COM O FIM DA GREVE PA POLÍCIA MILITAR, REDE ESTADUAL DE EDUCAÇÃO VOLTA A SUA NORMALIDADE

Após doze dias de paralisação, chegou ao fim a greve da Polícia Militar na Bahia e escolas da rede estadual  voltaram às aulas, hoje, 13/02/2012(segunda-feira)
Apesar de a Secretaria de Educação do Estado não ter suspendido o funcionamento durante a greve, algumas escolas estaduais só iniciam as atividades hoje. Os colégios municipais só voltam às aulas no dia 27 de fevereiro após o recesso de Carnaval.
Muitos baianos temem que a polícia volte a paralisar suas atividades mas o Comando Geral da Polícia Militar na Bahia reafirmou  que o Governo do Estado está enviando à Assembleia Legislativa o projeto de lei que inclui o acordo fechado com as associações.
Entre os pontos negociados estão, além da não punição dos policiais que participaram de forma pacífica da paralisação parcial, os valores escalonados da Gratificação por Atividade Policial (GAP) IV e V.
Além disso, está assegurado o reajuste de 6,5%, retroativo a janeiro deste ano. Essas propostas vão garantir ganhos escalonados no período, que chegarão a 38,89%, para soldados, e a 37,11%, para sargentos, graduações que correspondem aos maiores contingentes da tropa.

JUSTIÇA DETERMINA IMEDIATA REPARAÇÃO DA BIBLIOTECA PÚBLICA DE ILHÉUS


PRÉDIO GENERAL OSÓRIO(ATUAL BIBLIOTECA PÚBLICA-ABANDONADA)

Atendendo a pedido do Ministério Público da Bahia, que ingressou com ação civil pública contra o Município de Ilhéus e contra Conselho Municipal de Cultura pela omissão na conservação de bem público de relevante valor histórico, arquitetônico e cultural, a Juíza da 2ª Vara da Fazenda Pública de Ilhéus, Carine Nassri da Silva concedeu, no última dia 08 de fevereiro, a antecipação da tutela, para determinar ao Poder Público local as imediatas obras de segurança e proteção de paredes, pisos, telhados ou quaisquer elementos de suporte do prédio histórico, a serem concluídas no prazo de sessenta dias, sob pena de multa diária de R$ 5.000,00 (cinco mil reais).
Para a magistrada, a omissão do Poder Público é passível de causar danos aos cidadãos, e a mora na realização das obras de conservação acarreta cada vez mais a probabilidade de que o prédio venha ruir, "com o que não pode compactuar o Judiciário". Ao invés de medidas urgentes de conservação e adequação do patrimônio, o Município de Ilhéus limitou-se a interditar a biblioteca e não demonstrou a realização de obras suficientes para sanar a segurança do local, embora ultrapassado tempo mais que suficiente a quaisquer estudos, licitações ou demais procedimentos burocráticos, concluiu.
Por tais razões, a Juíza ordenou ao Município de Ilhéus as obras de segurança no imóvel, seguindo laudo técnico firmado por profissional inscrito no CREA e com anotação de responsabilidade técnica, laudo este que deverá ser analisado pelo Conselho Municipal de Cultura antes da execução das obras no bem inventariado. Por determinação judicial, o Conselho Municipal de Cultura deverá acompanhar a obra e a fidelidade ao projeto aprovado e comunicar ao juízo qualquer irregularidade.
A ação civil pública, tombada sob o nº 0008339-32.2011.805.0103, foi subscrita pela 8ª Promotoria de Justiça de Ilhéus, a partir de representação assinada por noventa e seis cidadãos, preocupados com o estado de deterioração do prédio, inaugurado em 1908 e que já abrigou as instalações do Grupo Escolar General Osório, bem como foi utilizado pelo Exército Brasileiro durante a Segunda Guerra Mundial, segundo a historiadora Maria Luiza Heine.

Fonte: O MP e os Objetivos do Milênio
Postado por: Karina Gomes Cherubini

sexta-feira, 10 de fevereiro de 2012

GREVE DA PM-BAHIA CONTINUA E CONTA COM O APOIO DA APLB

Hoje, 10 de fevereiro de 2012, completa onze dias de paralisação de parte da  Polícia Militar da Bahia. Após  assembleia  que terminou por volta das 20h20 desta quinta-feira (9), decidiu-se  que a greve continua.
O Executivo sinalizou com o pagamento da Gratificação por Atividade de Polícia (GAP) 4 a partir de novembro deste ano; e da GAP 5 a partir de 2013; além da anistia administrativa aos grevistas que participaram pacificamente do movimento.
 Os grevistas devem conceder entrevista coletiva para explicar os motivos da continuidade da greve. Cerca de 6.000 pessoas participaram da reunião.
Nesta sexta-feira, policiais devem fazer nova assembleia para decidir os rumos da paralisação e com isso as escolas públicas e algumas da rede privada continuam sem aulas devido a falta de segurança.
Algumas entidades sindicais estão apoiando o movimento da Polícia Militar. A APLB Sindicato também está sendo solidária aos companehiros que buscam melhorias salarias e de trabalho.
Em Ilhéus, a direção da APPI APLB é solidária ao movimento.
Até o momento escolas das redes pública e privada estão com as atividades suspensas.

quinta-feira, 9 de fevereiro de 2012

PROJETO PREVÊ ISENÇÃO DE IMPOSTO DE RENDA PARA PROFESSORES

Está em análise na Câmara dos Deputados o Projeto de Lei 2607/11, do deputado Felipe Bornier (PSD-RJ), que concede isenção do Imposto de Renda da Pessoa Física sobre a remuneração de professores. Pela proposta, para ser beneficiado o profissional precisa estar em efetivo exercício na rede pública de educação infantil, fundamental, média e superior.
O autor do projeto entende que cabe ao poder público criar mecanismos que incentivem o maior número possível de pessoas a exercer o magistério. "Ao longo dos anos, percebemos o quanto o professor tem sido sacrificado, não só no aspecto salarial, como também na tributação de seus ganhos. Educar é uma arte. Mas também é um trabalho de grande impacto social, com repercussão no desenvolvimento do País", argumenta.
O deputado cita como exemplo da importância da carreira o fato de que muitos juízes, legisladores e altos funcionários da administração pública já foram professores e usam a experiência adquirida na relação com os alunos para o desempenho de suas funções públicas. "O magistério já é, por si mesmo, sacrificante, exigindo dedicação absoluta de quem o exerce. É justo que se dê aos profissionais dessa área um tratamento condigno", avalia Bornier.
A proposta, que tramita em caráter conclusivo, será analisada pelas comissões de Finanças e Tributação; e de Constituição e Justiça e de Cidadania. (AGÊNCIA CÂMARA, 06/02/12)

ADIADO O INÍCIO DO ANO LETIVO DA REDE MUNICIPAL

A SECRETARIA DE EDUCAÇÃO SUSPENDEU A SEMANA PEDAGÓGICA QUE SERIA REALIZADA ESTA SEMANA, NA REDE MUNICIPAL DE ENSINO, CONDICIONANDO A SUA REALIZAÇÃO AO FINAL DA GREVE DA POLÍCIA MILITAR. COM ESTA DECISÃO, AUTOMATICAMENTE, O ANO LETIVO TAMBÉM TEVE SEU INÍCIO ALTERADO. A NOVA DATA SERÁ DIA 27/02, NA SEGUNDA FEIRA, APÓS O CARNAVAL.
A DIREÇÃO DA APPI/APLB APOIA A DECISÃO DA SEDUC, TENDO EM VISTA QUE DIANTE DO QUADRO DE INSEGURANÇA QUE VIVE TODA A SOCIEDADE BAIANA, É PRUDENTE QUE EVITEMOS EXPOR OS TRABALHADORES EM EDUCAÇÃO ASSIM COMO OS ALUNOS A UMA SITUAÇÃO DE RISCO.

FOI REALIZADA, ONTEM, EM ILHÉUS,1ª CONFERÊNCIA MUNICIPAL SOBRE TRANSPARÊNCIA E CONTROLE SOCIAL, EVENTO QUE ACONTECEU NO HOTEL BARRAVENTO, TENDO COM TEMA PRINCIPAL "A SOCIEDADE NO ACOMPANHAMENTO E CONTROLE DA GESTÃO PÚBLICA".
A PROGRAMAÇÃO CONTOU COM PALESTRAS NOS EIXOS TEMÁTICOS: " PROMOÇÃO DA TRANSPARÊNCIA PÚBLICA E ACESSO À INFORMAÇÃO E DADOS PÚBLICOS; MECANISMO DE CONTROLE SOCIAL; ENGAJAMENTO E CAPACITAÇÃO DA SOCIEDADE PARA O CONTROLE DA GESTÃO PÚBLICA; ATUAÇÃO DOS CONSELHOS DE POLÍTICAS PÚBLICAS COMO INSTÂNCIAS DE CONTROLE E DIRETRIZES PARA A PREVENÇÃO E O COMBATE A CORRUPÇÃO.
FOI UM IMPORTANTE EVENTO PORQUE " É UM MARCO HISTÓRICO NA POLÍTICA NACIONAL E CERTAMENTE CONTRIBUIRÁ PARA O PROCESSO DE CONSOLIDAÇÃO DA DEMOCRACIA BRASILEIRA. EMBORA A TEMÁTICA SEJA RECORRENTE TRATADA EM OUTRAS CONFERÊNCIAS, ESTA É A PRIMEIRA VEZ QUE UM PROCESSO CONFERENCIAL SE DEDICARÁ AO DEBATE EXCLUSIVO DE TEMAS COMO TRANSPARÊNCIA,CONTROLE SOCIAL E PREVENÇÃO E COMBATE À CORRUPÇÃO".

terça-feira, 7 de fevereiro de 2012

SEMANA PEDAGÓGICA DA REDE MUNICIPAL

INFORMAMOS A TODA A CATEGORIA, QUE A JORNADA PEDAGÓGICA PREVISTA PARA ACONTECER ENTRE 8 E 10, SEGUNDO A SEDUC, FICOU A CRITÉRIO DO DIRETOR DA UNIDADE ESCOLAR, QUE DEVERÁ AVALIAR JUNTO AOS PROFESSORES, SE HÁ CONDIÇÃO MÍNIMA DE SEGURANÇA PARA FAZER O PLANEJAMENTO.
A APPI/APLB ORIENTA QUE, POR PRUDÊNCIA, DEVEMOS AGUARDAR A NEGOCIAÇÃO ENTRE GOVERNO DO ESTADO E POLICIAIS MILITARES, PARA VOLTARMOS A NORMALIDADE, TENDO EM VISTA QUE O TRANSPORTE COLETIVO NÃO ESTÁ EM FUNCIONAMENTO REGULAR, SOMENTE TEM ALGUM TIPO DE SEGURANÇA NO CENTRO DA CIDADE E A MAIORIA DAS UNIDADES ESCOLARES ESTÁ SITUADA EM ÁREAS PERIFÉRICAS, ALÉM DE ATÉ O MOMENTO O GOVERNO  MUNICIPAL NÃO TER CREDITADO O VALE TRANSPORTE.  

CONFIRA AQUI O CALENDÁRIO DA REDE MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE ILHÉUS

NOTÍCIAS DA REDE MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO

Hoje, 07/02/2012, deveria estar sendo realizada a Jornada Pedagógica coletiva no Teatro Municipal de Ilhéus mas devido o movimento grevista da Polícia Militar do Estado da Bahia, a Secretária Municipal de Educação, Professora Lidiney Campos, suspendeu essa atividade.
Já para os dias 08, 09 e 10/02/2012, as atividades a serem desenvolvidas nas unidades escolares continuam sem alteração. Caso haja alguma mudança por parte da SEDUC, estaremos disponibilizando aqui, as informações.

1º CONFERÊNCIA MUNICIPAL SOBRE TRANSPARÊNCIA E CONTROLE SOCIAL

segunda-feira, 6 de fevereiro de 2012

APPI APLB SINDICATO É SOLIDÁRIA AO MOVIMENTO DE PARALISAÇÃO DA PM-BAHIA

A  APPI APLB Sindicato está sendo solidária ao movimento de paralisação da Polícia Militar do Estado da Bahia.
 A greve dos policiais militares prejudicou o início do ano letivo nas redes de ensino público e particular em Salvador, que começaria nesta segunda-feira. A medida deixa mais de 2 milhões de alunos sem aula.
Na rede pública, algumas escolas abriram nesta segunda, mas poucos alunos foram às aulas. Colégios como o Central e o Severino Vieira permaneceram de portas fechadas. O presidente do Sindicato dos Trabalhadores em Educação do Estado da Bahia, Rui Oliveira, disse neste domingo que as escolas iriam avaliar a segurança dos locais onde estão instaladas antes de iniciar o ano letivo.

SOBRE A GREVE
A greve dos policiais militares da Bahia teve início na noite de 31 de janeiro. Cerca de 10 mil PMs, de um contingente de 32 mil homens, aderiram ao movimento. A paralisação provocou uma onda de violência em Salvador e região metropolitana. O número de homicídios dobrou em comparação ao mesmo período do ano passado. A ausência de policiamento nas ruas também motivou saques e arrombamentos. Centenas de carros foram roubados e dezenas de lojas destruídas.
Em todo o Estado, eventos e shows foram cancelados. A volta às aulas de estudantes de escolas públicas e particulares, que estava marcada para 6 de fevereiro, foi prejudicada. Apenas os alunos da rede pública estadual iniciaram o ano letivo. As instituições particulares decidiram adiar o retorno dos estudantes.
Para reforçar a segurança, a Bahia solicitou o apoio do governo federal. Cerca de três mil homens das Forças Armadas e da Força Nacional de Segurança foram enviados a Salvador. As tropas ocupam bairros da capital e monitoram portos e aeroportos.
Os PMs amotinados estão acampados no prédio da Assembleia Legislativa da Bahia (Alba), na avenida Paralela, em Salvador. O presidente da AL, deputado Marcelo Nilo (PSDB), solicitou apoio ao general da 6ª Região, Gonçalves Dias, comandante das forças de segurança que estão atuando na Bahia, para a retirada dos grevistas do edifício, que chegou a ser cercado por 600 homens do Exército e teve as luzes desligadas.
Dois dias após a paralisação, a Justiça baiana concedeu uma liminar decretando a ilegalidade da greve e determinando que a Associação de Policiais e Bombeiros e de seus Familiares do Estado da Bahia (Aspra), que comanda o movimento, suspenda a greve. Doze mandados de prisão contra líderes grevistas foram expedidos. Cerca de 40 homens do Comando de Operações Táticas, a tropa de elite da Polícia Federal (PF), foram destacados para cumprir as decisões judiciais.
A categoria reivindica a criação de um plano de carreira, pagamento da Unidade Real de Valor (URV), adicionais de periculosidade e insalubridade, gratificação de atividade policial incorporada ao soldo, anistia, revisão do valor do auxílio-alimentação e melhores condições de trabalho, entre outros pontos.

S & R CONCURSOS E PESQUISAS CONVOCA APROVADOS EM CONCURSO PARA PSICOTESTE

Desde hoje, 06/02/2012, está acontecendo a etapa de Psicoteste para aprovados no concurso da Prefeitura Municipal de Ilhéus.
A lista dos convocados está disponível no site

APPI/APLB -SINDICATO ORIENTA O NÃO INÍCIO DAS AULAS NA REDE ESTADUAL

A APPI/APLB SINDICATO TRABALHADORES EM EDUCAÇÃO VEM COMUNICAR A TODA A SOCIEDADE QUE, POR PRUDÊNCIA, ORIENTOU OS TRABALHADORES EM EDUCAÇÃO, DA REDE ESTADUAL, A NÃO INICIAREM O ANO LETIVO ATÉ  QUE HAJA SEGURANÇA PARA O INÍCIO DO  TRABALHO.
EXTERNAMOS O NOSSO REPÚDIO AO GOVERNO DO ESTADO, QUE DE FORMA DITATORIAL, ESTÁ ENFRENTANDO A SITUAÇÃO PAREDISTA, COM A PRISÃO DOS LÍDERES DO MOVIMENTO.

sábado, 4 de fevereiro de 2012

MOÇÃO DE APOIO A GREVE DA POLÍCIA MILITAR

A APPI/APLB -SINDICATO DOS TRABALHADORES EM EDUCAÇÃO VEM EXTERNAR, À TODA A CATEGORIA E A SOCIEDADE EM GERAL,  MOÇÃO DE APOIO E SOLIDARIEDADE  AOS COMPANHEIROS POLICIAIS MILITARES QUE ENFRENTAM UM MOVIMENTO PAREDISTA PARA LUTAR POR MELHORES CONDIÇÕES DE TRABALHO E DIGNIDADE PARA A SOBREVIVÊNCIA DA CATEGORIA.
DEFENDEMOS QUE SEGURANÇA, SAÚDE E EDUCAÇÃO SÃO OS PILARES PARA UMA SOCIEDADE MAIS JUSTA E IGUALITÁRIA E PRECISAM SER TRATADAS COM MAIS PRIORIDADE E MAIS POLÍTICAS PÚBLICAS VOLTADAS PARA ESTES SEGMENTOS.
SOLICITAMOS AO GOVERNO DO ESTADO MAIS CELERIDADE PARA RESOLUÇÃO DO IMPASSE NA NEGOCIAÇÃO COM OS POLICIAIS, PARA QUE A SOCIEDADE BAIANA POSSA VOLTAR A NORMALIDADE DA SEGURANÇA PÚBLICA E SAIR DA SENSAÇÃO DE "INSEGURANÇA" GENERALIZADA QUE TOMOU CONTA DE TODOS NÓS.

quarta-feira, 1 de fevereiro de 2012

GOVERNO QUITA OS SALÁRIOS EM ATRASO

AMANHÃ, 02/02, ESTARÁ NA CONTA CORRENTE O PAGAMENTO DO SALÁRIO DE DEZEMBRO DOS CONTRATADOS, 1/3 DE FÉRIAS DOS EFETIVOS E O SALÁRIO DO MÊS DE JANEIRO DE TODOS OS TRABALHADORES EM EDUCAÇÃO.