APLB

terça-feira, 31 de julho de 2018

Carta aberta em defesa do ensino médio público de qualidade


Por Aloísio Mercadante

O Ministério da Educação do golpe anunciou que realizará, na próxima quinta-feira (2), uma discussão em mais de 28 mil escolas públicas e particulares, envolvendo mais de 509 mil professores, sobre a Base Nacional Comum Curricular (BNCC) do ensino médio. Entretanto, o arbítrio, a falta de diálogo e o entendimento, indispensáveis em qualquer reforma educacional, criaram um generalizado e forte movimento da comunidade educacional pela revogação da Lei 13.415/2017, que instituiu a chamada “reforma do ensino médio”, e pelo cancelamento da proposta do golpe para a BNCC do ensino médio.

Assim como parte considerável dos educadores, dos trabalhadores da educação e dos estudantes, tenho a convicção de que as discussões em torno da BNCC são indissociáveis da reforma do ensino médio. Depois da Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação, de várias associações acadêmicas e científicas, agora, a própria SBPC aprovou, por unanimidade, moção pela revogação da lei do ensino médio e pela rejeição da proposta de BNCC do governo Temer. 
Isso significa que não é possível avançarmos nas discussões em torno da Base, antes de superarmos os gargalos e os equívocos estabelecidos pela Lei, que instituiu um verdadeiro apartheid educacional no Brasil.

Precisamos lembrar que a reforma do ensino médio do golpe possui um vício de origem. Editada por medida provisória, sem qualquer participação da sociedade, a proposta inicial do governo Temer tentou acabar com as disciplinas de filosofia, artes, educação e sociologia. Ainda mais grave, não fixou os conteúdos obrigatórios mínimos que deveriam ser oferecidos a todos os estudantes como dever do Estado, transferindo para as redes a oferta dos itinerários formativos.

+ Leia a carta na íntegra: http://cnte.org.br/index.php/comunicacao/noticias/20104-carta-aberta-em-defesa-do-ensino-medio-publico-de-qualidade.html

terça-feira, 17 de julho de 2018

Eleita nova mesa diretora do Conselho do Fundeb



Os novos integrantes do Conselho de Acompanhamento e Controle Social (CACS) do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (FUNDEB) tomaram posse nesta terça-feira, dia 17/07, em Ilhéus, quando foi eleita a nova mesa diretora.

A secretária intermunicipal da APPI/APLB Sindicato, Enilda Mendonça, foi eleita presidente do conselho, representando o segmento dos professores. A vice presidente, Thayanne Kaneko, é representante do segmento dos estudantes secundaristas.

sexta-feira, 13 de julho de 2018

Eleição da APLB-Sindicato

A APPI/APLB fechou a programação para realização da eleição da APLB-Sindicato, em Ilhéus. Nos dias 23 e 24 de julho, 5 (cinco) urnas farão a coleta de votos entre cerca de 2.500 trabalhadores em Educação. Serão 4 (quatro) urnas itinerantes visitando as escolas, nos três turnos, e 1 (uma) urna fixa, na sede do sindicato, no Malhado.


Assembleia define representantes para o conselho do Fundeb

Em assembleia realizada na tarde desta sexta-feira (13), na sede da APPI/APLB, os Trabalhadores em Educação da Rede Municipal de Ilhéus definiram os nomes dos representantes de professores e servidores para o conselho do FUNDEB.

Foram escolhidos Enilda Mendonça e Valdemir Conceição, representando os professores, e Luiz Cláudio Souza e Josimar Ferreira, representantes dos servidores.
                                                                           

terça-feira, 10 de julho de 2018

Eleição da APLB-Sindicato


Edital de convocação de eleições da Diretoria Executiva e Conselho Fiscal, mandato 2018-2022:

APLB – SINDICATO DOS TRABALHADORES EM EDUCAÇÃO DAS REDES PÚBLICAS ESTADUAL E MUNICIPAIS DO ENSINO PRÉ-ESCOLAR, FUNDAMENTAL E MÉDIO DO ESTADO DA BAHIA (CNPJ 14.029.219/0001-28), com sede na rua Francisco Ferraro, n. 45, Nazaré, Salvador/BA, por seu coordenador, convoca todos os associados em dia com suas obrigações sindicais, para participarem de eleição para os cargos da Diretoria Executiva Sindical Colegiada e Conselho Fiscal, titulares e suplentes, (mandato com início em 15/10/2018 e término em 15/10/2022). A votação será realizada nos dias 23 e 24 de julho de 2018, das 08:00 às 21:00 horas, havendo urnas fixas na sede do sindicato, nas Delegacias e Núcleos Sindicais, sendo que a Comissão Eleitoral poderá estabelecer outros locais com urnas fixas, bem como urnas itinerantes e seus roteiros. A inscrição de chapas deverá ser realizada no prazo de 10 (dez) dias, contados a partir do dia seguinte ao da publicação deste edital, de segunda a sexta-feira, no horário das 8:00 às 12:00 e das 14:00 às 18:00 horas, na sede desta entidade, mediante requerimento protocolado perante os membros da Comissão Eleitoral (únicos responsáveis por receber e prestar informações sobre o processo eleitoral), devendo o requerimento estar acompanhado dos documentos previstos nas normas legais e nas normas internas que regem o processo eleitoral, a saber, Estatuto Sindical, Regulamento Eleitoral e Regimento Eleitoral, que estão afixados no mural destinado à publicação de todos os atos Comissão Eleitoral, na sede da entidade. No mural serão publicados todos os atos da Comissão Eleitoral que funcionará na sede desta entidade Sindical, inclusive a publicação das chapas inscritas, a abertura de prazo para impugnação e notificações das chapas. A Comissão Eleitoral é composta pelos seguintes membros: Maria Rosa Silva de Souza, Ailton de Jesus Araújo e Roberto José Santana. Salvador/BA, 22 de maio de 2018. Rui Oliveira, Coordenador.

Fonte: www.aplbsindicato.org.br

quinta-feira, 5 de julho de 2018

Sindicato quer retificação do prazo de prorrogação de concurso público


A APPI/APLB protocolou ofício pedindo ao governo municipal de Ilhéus a retificação do decreto 079/2018 que contém erro de origem em sua publicação ao prorrogar o concurso público pelo período de 6 (seis) meses. 

Pelo previsto no edital, o concurso teve validade de 2 (dois) anos com previsão de prorrogação, uma vez, por igual período. “A prorrogação não pode ser definida em um prazo inferior ao previsto em edital. Por isso, aguardamos providências para sanar este problema”, afirma o presidente da APPI, Osman Nogueira.