APLB

terça-feira, 7 de junho de 2016

Dia 10, sexta-feira, mobilização nas escolas e caminhada do Campo Grande à Praça Municipal: “Fora Temer”



Antenada com todos os movimentos sociais e com o resgate democrático brasileiro, a APLB-Sindicato cumpre uma agenda política em junho, na capital baiana.

Na próxima quinta-feira, 9 de maio, a partir de 9 horas, tem o Ato Fora Gilmar Mendes, em frente o Tribunal Regional Eleitoral (TRE), no CAB.

Sexta-feira, dia 10, haverá mobilização nas escolas com o “Fora Temer” . Não haverá paralisação nas escolas.  A partir das 15 horas haverá um Ato Cultural e Artístico no Campo Grande, seguido de uma caminhada até a Praça Castro Alves. Entidades representativas de categorias como petroleiros, metalúrgicos, borracheiros, construção civil, alimentação, professores, profissionais da saúde, bancários, comerciários, e polícia civil já confirmaram a participação.

Rede Vida Viva discute Vida/Saúde/Trabalho com trabalhadores em educação da Escola Batista Memorial

Trabalhadores em educação da Escola Batista Memorial participaram na tarde da última sexta-feira, no auditório da APPI, de uma oficina do Projeto Rede Vida Viva. As dinâmicas foram apresentadas pelos monitores do Rede Vida Viva e dirigentes da APPI Bárbara Neves, Cosme Gusmão e Luiz Cláudio.

O objetivo foi discutir as condições de trabalho desses servidores e o que pode ser feito para melhorar esse ambiente de trabalho e garantir mais qualidade de vida aos educadores. Para os participantes, o momento foi fundamental para abrir novos horizontes e fazer importantes reflexões.

Através de dinâmicas, trabalhos em grupo, discussões e debates com base no programa do Projeto Rede Vida Viva foram realizadas reflexões sobre o triângulo vida, saúde e trabalho, suas interrelações e sobre como combater esses casos de adoecimento. A partir dessas reflexões os trabalhadores passaram a ter uma nova visão do ambiente de trabalho e um novo olhar sobre as causas do adoecimento.

O presidente da APPI/APLB-Sindicato, Osman Nogueira Junior, destaca a importância de realizar essas reuniões, treinamentos e dinâmicas, não somente para se debater as condições de trabalho, mas também as consequências do adoecimento nos locais de serviço. A proposta é realizar essas reuniões em outras unidades para ampliar as discussões e elaborar um plano de ação para se buscar soluções para minimizar os principais problemas apontados pelos trabalhadores em educação.