APLB

segunda-feira, 23 de setembro de 2013

Servidores em greve realizaram ação educativa no Dia do Agente de Trânsito

Em greve geral a mais de 60 dias e à espera de que o prefeito Jabes Ribeiro sinalize para o fechamento do acordo de campanha salarial, os trabalhadores de todas as categorias servidores públicos municipais de Ilhéus realizaram na manhã desta segunda-feira (23) uma caminhada com panfletagem educativa em comemoração ao Dia Nacional dos Agentes de Trânsito. A caminhada saiu da praça J.J.Seabra, em frente ao Palácio Paranaguá, seguindo pelas ruas do centro da cidade até a Praça Cairu, onde os servidores distribuíram panfletos sobre a necessidade de garantir mais segurança no trânsito.

No panfleto os servidores alertaram que uma cidade como Ilhéus, que busca enfrentar os problemas do trânsito, com o crescimento acelerado da frota de veículos, não poderia deixar de lembrar essa data. Eles também informaram sobre o papel dos agentes, que exercem, dentre outras funções, as atividades de administrar todas as intervenções, garantir o cumprimento das leis e promover o desempenho na qualidade de fluidez e segurança do trânsito na cidade, orientando os motoristas e pedestres sobre os mais diversos cenários no sistema viário da cidade.

Explicaram ainda os servidores públicos municipais que, muito mais do que fiscalizar, o agente é também um educador para o trânsito e um zelador do cumprimento das leis, com foco em coibir ações que geram riscos a todos que transitam na cidade. Os trabalhadores também denunciaram sobre os indícios de irregularidades envolvendo recursos arrecadados com as multas no trânsito.

De acordo com os servidores, a Prefeitura de Ilhéus emitiu cerca de 32 mil multas de trânsito entre janeiro a agosto desse ano, arrecadando aproximadamente R$ 400 mil, pagos pelos proprietários dos veículos. “Mas apesar da arrecadação quase milionária, ao que parece nada desse valor foi destinado à promoção de campanhas educativas, ação apontada pelo Código de Trânsito Brasileiro como fundamental para evitar novas infrações e reduzir o número de acidentes”, denunciaram.



Ofício entregue pelos sindicatos ao governador Jaques Wagner pedindo apoio para mediar o impasse em que vive a cidade de Ilhéus


Sindicatos pedem apoio do governador para mediar o fim da greve em Ilhéus

Representantes dos cinco sindicatos de servidores públicos municipais de Ilhéus entregaram ao governador da Bahia, Jaques Wagner, um ofício solicitando o apoio para intermediar o fim da greve geral na Prefeitura, que completou mais de 60 dias sem que até agora o prefeito Jabes Ribeiro tenha sinalizado para o fechamento do acordo de campanha salarial. No documento os trabalhadores explicam que tem feito tudo que é possível para assinar o acordo e acabar com a greve, mas o governo municipal se recusa a cumprir o que manda a legislação, que é a revisão salarial anual prevista na Constituição Federal e na Lei de Responsabilidade Fiscal.

Os trabalhadores também informaram ao governador que além de não reivindicar o reajuste e sim a reposição das perdas salariais, os servidores apresentaram a proposta de abrir mão de receber de imediato o pagamento da reposição retroativo à data base das categorias e negociar posteriormente a quitação dessas parcelas. Os sindicatos dos trabalhadores também se comprometeram em continuar nas discussões com o governo para analisar os verdadeiros índices da folha de pagamento e buscar saídas para a crise gerencial que se encontra o município. “O problema é que o prefeito tem o interesse em que a paralisação continue por tempo indeterminado, aumentando ainda mais o caos que se instalou na cidade”, disseram os líderes sindicais.

Ao receber o documento, Jaques Wagner informou aos líderes sindicais que estará aberto as negociações e que tentará intermediar o impasse para que a cidade volte à sua normalidade. Wagner reconheceu que se trata de uma questão municipal, mas que possui boas relações com o prefeito, por isso tentará mediar um acordo. Segundo o governador, a melhor saída não é procurar culpado, mas sim uma solução. “Estou à disposição do prefeito e dos funcionários. Ilhéus é uma cidade importante, fundamental, e eu espero que se chegue a um denominador comum para que se volte à normalidade”, disse ele.

De acordo com os presidentes de sindicatos, a greve dos servidores só interessa ao prefeito, que vem transformando a cidade em um verdadeiro caos. Prova disso, conforme relatam os trabalhadores, é que a situação de Ilhéus estava crítica mesmo antes da greve. “Desde o início do ano os postos de saúde foram desativados, muitas escolas não iniciaram o ano letivo, a cidade está esburacada, a zona rural foi abandonada e nada vinha funcionando. E isso não é culpa da greve. A culpa é desse prefeito que já demonstrou que não tem mais condições de continuar governando Ilhéus”, complementaram.