APLB

terça-feira, 18 de novembro de 2014

Encontro reúne em Ilhéus líderes sindicais de diversos países


Representantes de sindicatos de diversos países estarão em Ilhéus entre os dias 21 a 23 de novembro participando do 8° Encontro Internacional da Rede Vida Viva. O evento, organizado pela API/APLB-Sindicato, Delegacia Sindical Costa do Cacau, será realizado no Praia do Sol Hotel, situado na rodovia Ilhéus/Olivença, e terá como tema principal a precarização do trabalho em nível mundial, com destaque para o adoecimento nos locais de trabalho.

Já estão confirmadas as participações de líderes sindicais do Brasil, Alemanha, Colômbia, Moçambique e Sri Lanka, países onde o programa está sendo desenvolvido. De acordo com a presidente da APPI, Enilda Mendonça, o encontro internacional será um importante momento para promover trocas de experiências sobre a implementação do Vida Viva nos locais de trabalho. Cada país apresentará sua estratégia de implementação e os resultados alcançados. Para Enilda Mendonça, os sindicatos participantes terão uma oportunidade de estabelecer uma troca efetiva sobre mudanças no mundo do trabalho e sua atuação frente aos novos desafios que estão afetando a vida e a saúde dos trabalhadores.

A Rede Vida Viva pretende construir uma nova abordagem da relação vida, saúde e trabalho, provocando a reflexão dos trabalhadores sobre as consequências do trabalho para sua saúde e sua vida. Para isso, é preciso potencializar a ação sindical e a organização dos trabalhadores no local de trabalho. Essas são as condições imprescindíveis para construir estratégias efetivas que modifiquem o grave quadro atual de adoecimento dos trabalhadores.

A Rede Intersindical de Saúde Vida Viva é de âmbito internacional, realizado em cooperação com a TIE (Transnationals Information Exchange), uma rede de ativistas sindicais engajada na construção e no fortalecimento de um sindicalismo internacional de base. No Brasil a Rede conta com a participação da TIE-Alemanha e TIE-Holanda. A entidade busca estabelecer contatos com ativistas sindicais de vários países, visando auxiliar na troca de informações, de experiências entre trabalhadores e na construção de propostas formativas e estratégias conjuntas. A Rede também está sendo desenvolvida nos seguintes países: Alemanha, Canadá, México, Moçambique, África do Sul, America Latina, USA, Turquia.No Brasil o Projeto iniciou no ano de 2002 onde alguns sindicatos resolveram se articular para resolverem, juntos, os seus problemas comuns.