APLB

sexta-feira, 28 de agosto de 2015

Rede Vida Viva promove em Ilhéus seminário sobre Saúde do Trabalhador

Dirigentes sindicais de diversas categorias e municípios baianos participam nesta sexta-feira e no sábado, no Hotel Baravento, em Ilhéus, do Seminário sobre Saúde do Trabalhador e Adoecimento no Local de Trabalho, promovido pela Rede Vida Viva, em parceria com a APPI/APLB-Sindicato, Delegacia Sindical Costa do Cacau. O objetivo do evento é formar monitores para identificar as causas das enfermidades, discutir a saúde e elaborar um plano de ações para combater os casos de adoecimento nos locais de trabalho.
 
Durante o seminário estão sendo abordadas as causas de adoecimento em diversas categorias e compartilhadas experiências e vivências em cada município. Através de dinâmicas, trabalhos em grupo, discussões e debates estão sendo realizadas reflexões sobre o triângulo vida, saúde e trabalho, suas interrelações e sobre como combater esses casos de adoecimento. Uma das ferramentas utilizadas durante o seminário foi o mapeamento do corpo, do trabalho e do mundo, identificando as patologias e suas causas. A partir dessas reflexões os monitores passam a ter uma nova visão do ambiente de trabalho e um novo olhar sobre as causas do adoecimento.

O presidente da APPI/APLB-Sndicato, Osman Nogueira Junior, considera de grande importância a discussão sobre saúde do trabalhador e qualificar agentes como monitores para identificar e essas causas e consequências do adoecimento nos locais de trabalho. Ainda durante o curso, ministrado por Julia Souza, Marinho Maia e Enilda Mendonça, será elaborado um plano de ação para os monitores e a avaliação das atividades realizadas durante os dois dias de reflexão.

O Projeto Vida Viva, uma rede de sindicato e pessoas que se organizam para refletir, debater e construir propostas formativas que contribuam com a luta dos trabalhadores por uma organização efetiva no local de trabalho. Trata-se de uma rede que decidiu encarar o desafio de promover ações concretas nos locais de trabalho que modifiquem as condições de trabalho e a vida dos trabalhadores.
 





















Nenhum comentário: