APLB

terça-feira, 2 de junho de 2009

MEC HOMOLOGA RESOLUÇÃO DE NOVAS DIRETRIZES PARA PLANO DE CARGOS

Estados e municípios têm prazo até dezembro para criar plano
O governo federal, os 26 estados, o Distrito Federal e os 5.563 municípios têm prazo até 31 de dezembro deste ano para elaborar planos de carreira para os professores e os profissionais da educação básica de suas redes. A exigência, prevista na lei do piso nacional dos professores em 2008, agora tem diretrizes fixadas pela Câmara de Educação Básica do Conselho Nacional de Educação (CNE) e homologadas pelo ministro Fernando Haddad, nesta quinta-feira, 28.
Os planos de carreira, explica o presidente da Câmara de Educação Básica, César Callegari, interessam diretamente a 1,8 milhão de professores e centenas de profissionais que trabalham nas escolas públicas, entre eles, diretores, coordenadores e os que fazem planejamento, inspeção e supervisão escolar. A resolução da Câmara de Educação Básica coloca em prática o que determina o artigo 6º da
Lei nº 11.738/2008, que estabeleceu o piso nacional dos professores.
O plano de carreira do magistério deve contemplar itens como a formação inicial e continuada, o processo de escolha de diretores das escolas, o número máximo de alunos por sala de aula, o sistema de avaliação, a progressão funcional.
De acordo com César Callegari, o plano de carreira vai muito além do compromisso dos sistemas da União, estados e municípios com a remuneração dos profissionais do magistério. O plano organiza a vida funcional da categoria, promove a qualidade da educação e atrai para a carreira bons profissionais.
Os planos são importantes, segundo Callegari, porque efetivam a valorização da profissão de professor no país. “Um bom plano de carreira vai atrair para o magistério os melhores entre os melhores”, diz. Para por em prática o que prevêem as diretrizes da resolução, governadores e prefeitos precisam elaborar projetos de lei e enviá-los para as assembléias legislativas (estados) e câmaras de vereadores (municípios).
Pais, professores, diretores, a comunidade devem participar das discussões das leis, diz o presidente da Câmara de Educação Básica do CNE, para assegurar a construção “de planos atraentes e de longo prazo” para que a educação avance na qualidade em todas as etapas. A resolução será publicada no Diário Oficial da União nesta sexta-feira, 29.
Ionice Lorenzoni
Fonte: Portal do MEC

Funcionários de escola pedem apoio de senadores para profissionalização

Funcionários de escola pedem apoio de senadores para profissionalização

Cerca de um milhão e duzentos mil funcionários de escola em todo o país lutam há anos, pelo reconhecimento da profissão na Lei de Diretrizes e Bases da Educação (LDB).
Merendeiras, porteiros, auxiliares de administração, zeladores que sempre contribuíram com o trabalho humilde para educação de milhares de crianças aguardam a aprovação do PLS nº 507/2003, que mais uma vez teve a votação adiada no Congresso Nacional.
Por isso, eles esperam o apoio de todos nessa luta.
Pela valorização dos funcionários de escola, clique aqui .